Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PESQUISA

Maioria diz que investimentos na Copa foram 'desnecessários'

Maioria diz que investimentos na Copa foram 'desnecessários'
18/02/2014 17:30 - FOLHA PRESS


Pela primeira vez com perguntas mais específicas sobre a Copa do Mundo, pesquisa divulgada hoje pela CNT (Confederação Nacional do Transporte) aponta que, para 75,8% dos entrevistados, os investimentos para a realização da Copa foram "desnecessários".

Só 13,3% opinaram que os investimentos foram "adequados". Já 7,3% disseram que foram "insuficientes" e 3,6% não souberam ou não responderam. A pesquisa, feita pelo instituto MDA, ouviu 2.002 pessoas em 24 unidades da federação, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais e 95% de nível de confiança.

O pessimismo sobre a Copa foi considerado "surpreendente" pelo presidente da CNT, senador Clésio Andrade (PMDB-MG) e é considerado uma das razões para a queda da popularidade da presidente Dilma Rousseff apontada na pesquisa.

Questionados pela pesquisa se concordam com os investimentos realizados na construção de estádios, 80,2% optaram pela resposta "discordo, poderiam ter sido utilizados para melhorar outras áreas mais importantes".

Em outra questão, 66,6% dizem não acreditar que as obras de mobilidade urbana ficarão prontas a tempo da Copa e 50,7% afirmam que não apoiaram que o Brasil fosse candidato a sediar a Copa do Mundo, caso a escolha fosse hoje. Nesse caso, 26,1% "apoiariam totalmente" e 19,7% "apoiariam parcialmente".

Protestos

Em relação aos protestos durante o evento, 85,4% acreditam que ocorrerão. Além disso, 15,2% disseram que participariam das manifestações caso ocorram, enquanto 82,9% responderam que não participariam. Por último, 56,2% opinaram que o Brasil vai ser campeão da Copa. 34,6% disseram que não será e 9,2% não souberam ou não responderam. 

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.