Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Maluf cuidou mesmo de dinheiro no exterior, mostra sentença

Maluf cuidou mesmo de dinheiro no exterior, mostra sentença
17/03/2014 12:15 - exame


A cada dia, está mais difícil para o deputado federal Paulo Maluf perpetuar o lema de que “não tem e nunca teve contas no exterior”. Detalhes da sentença de condenação de empresas ligadas ao político na ilha britânica de Jersey mostram que Maluf e o filho, Flávio, trocaram várias correspondências com seus advogados e o Deutsche Bank sobre os investimentos em fundos que receberam os recursos oriundos de desvios. O documento foi obtido pela Folha de S. Paulo.

O deputado e o filho tiveram de dar explicações ao banco depois que uma nova lei contra lavagem de dinheiro entrou em vigor em Jersey, em 1999.

As empresas envolvidas eram a Durant, Kildare, Macdoel e Sun Diamond. Em 2000, segundo a Folha, Maluf se encontrou com advogados em Mônaco para cuidar dos esclarecimentos pedidos pelo banco.

Antes, já havia escrito À instituição confirmando que as explicações de Flávio defendiam também seus interesses como investidor, diz o jornal

Há três semanas, o Deutsche Bank fez um acordo com a prefeitura de São Paulo e o Ministério Público estadual por ter movimentado o dinheiro que teria sido desviado dos cofres públicos na gestão de Maluf (1993-1996).

Com isso, se livrou de um processo judicial.

À Folha, a assessoria do deputado afirma que "a reportagem se baseia em documento sem identificação e apócrifo”, embora a Folha afirme que ele foi obtido junto às autoridades da ilha britânica.

Antes

No começo do ano passado, o jornal Estado de S. Paulo já havia publicado uma das sentenças da Justiça de Jersey, que condenou as empresas que receberam recursos de Maluf a devolver US$ 28,3 milhões aos cofres públicos de São Paulo.

Nesta decisão – que envolvia as obras da Avenida Jornalista Roberto Marinho e outras - o juiz Howard Page afirma que Maluf e o filho foram “recebedores de fundos dos quais sabiam muito bem desde o começo que eram procedentes de fraude”.

Sempre que o assunto de contas fora do Brasil vem à tona, o deputado e sua assessoria negam qualquer possibilidade de existência das contas. A frase, hoje clássica, é: "Paulo Maluf não tem nem nunca teve conta no exterior”.

De acordo com reportagem da revista Piauí, ela foi usada pela primeira vez no ano 2000.

Felpuda


Pré-candidatos que em outras eras cumpriram mandato e hoje sonham em voltar a ter uma cadeira para chamar de sua estão se esmerando em apresentar suas folhas de trabalho. O esforço é grande para mostrar os serviços prestados, mas estão se esquecendo que a cidade cresceu, os problemas aumentaram e aquilo que já foi tido como grande benefício hoje não passa da mais simples obrigação diante do progresso e das novas exigências legais. Assim sendo....