Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Menino atropelado por carreta em Corumbá

Menino atropelado por carreta em Corumbá
09/02/2010 08:26 -


O atropelamento do menino Pedro Vitor Maciel Barbosa, de 3 anos, que morreu atingido por uma carreta, de placas HQJ 1284, ontem de manhã, reacendeu um velho problema de trânsito em Corumbá: o tráfego pesado na área central da cidade. Apesar da sinalização vertical visível, os caminhoneiros que transportam cargas para a Bolívia circulam livremente no perímetro proibido. Pedro foi esmagado pela carreta quando passava com a mãe, Marcilene Garcia Barbosa, 22, e um irmã de dois anos, pela rua Gonçalves Dias. Na esquina com a Edu Rocha, o veículo fez uma conversão e o motorista, Josué Ferrari, 50, alegou que não percebeu a presença do menino, que teria se soltado da mão da mãe. O motorista disse que parou a carreta quando ouviu os gritos de Marcilene. O acidente revoltou os moradores da região, situada entre os bairros Aeroporto e Nossa Senhora de Fátima. O tio de Pedro, Geovane, 20, disse, chorando, que os caminhoneiros não respeitam a sinalização e reclamou da falta de fiscalização por parte da Agetrat (Agência Municipal de Trânsito e Transporte). Os moradores alertaram que o risco de acidente na Gonçalves Dias aumentou com o reinício das aulas. “Acabei de brincar com meu sobrinho e agora ele morre desse jeito”, lamentou o tio. A versão do motorista foi desmentida pela mãe e por testemunhas. Em estado de choque, Marcilene relatou, depois de atendida pelos bombeiros, que segurava a mão de Pedro, enquanto o outro filho carregava no colo. Josué Ferrari foi indiciado no 1º Distrito Policial por homicídio culposo (sem intenção de matar).

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...