Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Menores flagrados ao volante cumprem metas socioeducativas

Menores flagrados ao volante cumprem metas socioeducativas
15/04/2010 04:34 -


Anahi Zurutuza

Grupo de 100 menores  surpreendido pela fiscalização dirigindo carros ou pilotando motocicletas estão cumprindo medidas socioeducativas promovidas pelo Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran/MS).  Ontem eles participaram do primeiro de uma série de seis encontros  do Programa Socioeducativo de Segurança no Trânsito (Premi Junior).
Segundo o mestre em Psicologia do Trânsito, Renan da Cunha Soares, palestrante de ontem, “a maioria dos adolescentes que cometem infrações de trânsito volta a repetir os erros quando adultos e habilitados”.
 Levantamento do departamento de estatísticas do Detran mostra que todos os anos  aumenta a quantidade de adolescentes encaminhados para fazer o curso. Até há bem pouco tempo,  eram 50 infratores a cada seis meses . Nas duas edições do ano passado, foram encaminhados ao ciclo de palestras 80 infratores e na primeira edição deste ano já são 100.
“Para a gente que trabalha com esses jovens há algum tempo, o aumento na quantidade de infratores com certeza é preocupante. Venho falar para os pais justamente isso, apelar para o amor que eles têm pelos filhos, mostro fotos e conto como é a rotina de trabalho dos bombeiros, para tentar sensibilizá-los”, afirma o bombeiro, sargento Adoaldo Chatobriand, que também ontem ministrou palestra para os pais dos adolescentes.
O sargento afirma, ainda, que tem sido mais comum para o Corpo de Bombeiros socorrer vítimas de acidentes de trânsito que envolvem menores na direção. “A gente se depara com, pelo menos, três casos por mês. Se a gente pensar que estes menores não deveriam estar dirigindo, o número tem de ser considerado alto”.
W.P., 17 anos, que participou ontem da palestra, foi pego em uma blitz pilotando, há dois meses, e conta que comprou a moto com o dinheiro que ganha trabalhando em uma oficina mecânica. “Eu não precisava, mas era legal”, afirma.
Segundo o psicólogo Renan Soares, assim como W.P., adolescentes que cometem infrações no trânsito geralmente são do sexo masculino e usam os veículos como demonstração de “status e poder”. “Dirigindo um carro, o infrator acaba sendo o diferencial do seu grupo de adolescentes. O problema é que por não ser habilitado  nem maduro o suficiente para assumir a direção, ele acaba sendo um risco para o trânsito”.

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!