Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Milhões de pessoas podem ficar sem acesso à internet na próxima semana

Milhões de pessoas podem ficar sem acesso à internet na próxima semana
05/07/2012 13:30 - tecmundo


Milhões de pessoas em todo o mundo podem ficar sem acesso à internet a partir do dia 9 de julho, data em que o FBI planeja desativar servidores DNS utilizados por criminosos. Isso deve ser feito para ajudar a eliminar o vírus chamado DNSCharger que, ao infectar os computadores, desvia a rota dos dados e envia informações direto para os bandidos.

Servidores DNS são sistemas que identificam os endereços na internet. Todos os sites são identificados por números IP, e o trabalho dos servidores DNS é associar esse número com um nome por extenso, para facilitar a navegação.

O que o vírus DNSCharger faz é direcionar o tráfego de dados alterando essa identificação. Caso a sua máquina esteja infectada, ao digitar o endereço por extenso, você vai ser levado para um site de propriedade dos criminosos.

Com o desligamento desses servidores, todas as pessoas que tiverem seus computadores infectados podem ficar sem acesso à internet, já que suas máquinas vão continuar buscando por endereços que não existem mais. O único jeito de voltar a navegar sem problemas é eliminar o vírus dos computadores. O FBI está implantando servidores DNS “limpos” temporários para substituir aqueles que serão desativados.

Seis estonianos por trás dessa fraude foram presos pelo FBI durante as investigações. O vírus DNSCharger se disseminou através dos meios tradicionais, como emails e malwares.

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!