Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Na decisão, Santos coloca à prova tradição dos grandes diante do Santo André

Na decisão, Santos coloca à prova tradição dos grandes diante do Santo André
25/04/2010 12:50 -


     

A história do Campeonato Paulista mostra ser fácil o caminho do Santos em busca do título. Desde a fundação do último grande clube do estado, o São Paulo, em 1935, na disputa final da competição contra um time de menor tradição, tem prevalecido a força da camisa. Neste domingo, às 16h, no Pacaembu, o alvinegro entra em campo, na primeira partida decisiva contra o Santo André, em busca de fazer valer a hegemonia.

 

Em 12 finais disputadas por um dos quatro grandes do estado contra equipes menores (ver quadro abaixo), apenas em uma a ?zebra? aconteceu. Foi em 1986, quando a Internacional de Limeira bateu o Palmeiras na decisão.

 

O Santos enfrentou a situação duas vezes. Em 1973, em uma das finais mais controversas da história, a equipe praiana dividiu o título com a Portuguesa porque o árbitro Armando Marques errou na contagem nas cobranças de pênalti.

 

Já em 2007 a final foi disputada contra o São Caetano, e o alvinegro sagrou-se campeão graças à vantagem de atuar pelo empate após o somatório dos resultados, já que o confronto terminou com o placar agregado de 2 a 2. Na ocasião, o atual treinador santista, Dorival Júnior comandava a equipe do ABC. Ele sentiu na pele o quanto é complicado decidir a competição diante de um grande clube.

 

Agora, além de estar do outro lado da moeda, o treinador também conta com a vantagem da igualdade na decisão, já que o Santos teve melhor campanha durante toda a competição. Foram 53 pontos somados, contra 40 do adversário.

 

As informações são do Portal UOL

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...