Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Na luta para não cair, só vitória interessa ao Botafogo

Na luta para não cair, só vitória interessa ao Botafogo
30/08/2009 09:00 -


     

        Da redação

        A expectativa era grande, mas a chegada de Estevam Soares não trouxe muitas mudanças para o Botafogo. Pelo contrário. São seis jogos sem vitórias no Campeonato Brasileiro, quatro sob o comando do novo treinador, e o adversário deste domingo, às 17h30, no Engenhão, promete ser obstáculo árduo. O Grêmio luta pelas primeiras posições, enquanto os alvinegros tentam fugir do rebaixamento.
        A esperança de que o técnico salvaria o time alvinegro rapidamente se justificava pela excelente campanha com o modesto Barueri. Mas o clube paulista continuou bem sem o treinador e os cariocas mantiveram a rotina: boas partidas fora de casa e atuações sofríveis no Engenhão.
        "Não me arrependo de nada. Quando tomei a decisão (de trocar o Barueri pelo Botafogo), foi algo muito pensado", rebateu o técnico alvinegro. "Estou completamente engajado aqui. As coisas vão virar para o nosso lado e ainda vamos rir dessa situação", disse, com otimismo.
        Estevam faz mistério sobre o esquema que vai utilizar. Pode manter o 4-4-2 ou voltar à formação com três zagueiros. "Tenho algumas opções, vou pensar bem", comentou o técnico, que não contará com o volante Fahel, expulso contra os mineiros.
        A tendência é que mantenha o esquema com dois zagueiros e quatro no meio de campo, que foi bem no empate por 3 a 3 com o Corinthians, em São Paulo, e nos primeiros 45 minutos contra o Cruzeiro. (informações da Agência Estado)
        
        

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.