Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

No Haiti, comemorações do 7 de Setembro se revertem em ações sociais

No Haiti, comemorações do 7 de Setembro se revertem em ações sociais
07/09/2010 09:15 -


     No Haiti, o 7 de Setembro será comemorado com várias ações sociais por toda a capital do país, Porto Príncipe, onde está concentrada a maior parte dos cerca de 9 milhões de habitantes. A partir do próximo domingo (12) serão distribuídas 6 mil cestas básicas de alimentos, além de água potável. Também está previsto atendimento médico e dentário.

        Para as crianças e os adultos, estão programadas atividades de recreação e apresentações culturais brasileiras. No bairro de Bel-Air - cuja pacificação constituiu marco da atuação dos militares brasileiros integrantes da Missão das Nações Unidas de Estabilização do Haiti (Minustah) ? haverá uma cerimônia especial.

        A ideia é que autoridades brasileiras e haitianas, assim como representantes da comunidade internacional, participem de uma solenidade comemorativa. A cerimônia é para celebrar o 188º aniversário da Independência do Brasil. As atividades são organizadas pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe e pelo Comando do Contingente brasileiro no Haiti.

        As comemorações ocorrem no momento em que o Haiti ainda se recupera do pior terremoto da história do país. Em 12 de janeiro, um terremoto de 7 graus de magnitude na escala Richter atingiu o Haiti provocando a morte de aproximadamente 220 mil pessoais, inclusive de militares brasileiros e da médica sanitarista Zilda Arns.

        O terremoto destruiu prédios públicos e privados, desapareceu com documentos e deixou milhares de pessoas desabrigadas e desalojadas. O Brasil foi um dos primeiros países a enviar ajuda para o Haiti, como recursos e apoio humanitário. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e vários ministros visitaram o país.

        Recentemente, especialistas informaram que apesar do esforço da comunidade internacional, o Haiti ainda vive sob dificuldades e os efeitos do caos causado pelo terremoto ocorrido há quase oito meses.

         

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...