Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BALANÇO

Número de acidentes aéreos no Brasil cai 8,5% em 2013

Número de acidentes aéreos no Brasil cai 8,5% em 2013
31/01/2014 22:00 - AGÊNCIA BRASIL


O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou hoje (31) que, no ano passado, houve 163 acidentes aéreos no país, sendo 140 com aviões e 23 com helicópteros. Nenhum deles de grande porte. Registrou-se redução de 8,5% em relação aos 178 acidentes aéreos de 2013, com queda também no número de vítimas fatais: foram 72 no ano passado, ante 78 em 2012 e 96 em 2011.

A redução foi significativa, de acordo com a pesquisa do Cenipa, considerando-se um cenário de crescimento gradativo do número de aeronaves em operação e o consequente aumento de voos na aviação brasileira, segundo o brigadeiro Luís Roberto Lourenço, chefe do Cenipa. Ele disse que, em 2013, houve uma média de 0,36 acidente por 1 milhão de horas de voo – menos da metade da média de 0,72 em 2012 e de 1,13 em 2011.

O brigadeiro destacou que não só os acidentes aeronáuticos diminuíram, mas também os incidentes. “A aviação brasileira está mais segura, mas isso não significa que estamos satisfeitos. A prevenção deve ser reforçada dia a dia, porque a nossa meta é zero acidente”. Ele lembrou também que os índices no Brasil são semelhantes aos dos países desenvolvidos, com pequeno número de ocorrências na aviação regular. Em 2013 teve apenas um caso.

Em parceria com o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) e com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Cenipa desenvolve campanhas educativas e atividades de prevenção como palestras, seminários e vistorias de segurança, tanto nas grandes empresas regulares quanto na aviação agrícola. "Nós estamos em todas as regiões do Brasil", disse o brigadeiro.

Felpuda


Devidamente identificadas as figurinhas que agiram “na sombra” em clara tentativa de prejudicar cabeça coroada. Neste segundo semestre, os primeiros sinais começarão a ser notados como reação e “troco” de quem foi atingido. Nos bastidores, o que se ouve é que haverá choro e ranger de dentes e que quem pretendia avançar encontrará tantos, mas tantos empecilhos, que recuar será sua única opção na jornada política. Como diz o dito popular: “Quem muito quer...”.