Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

POLÍTICA

Oficina de percussão ensina percepção rítmica ao público

Oficina de percussão ensina percepção rítmica ao público
20/04/2010 20:35 -


Thiago Andrade

 

Tem início hoje a oficina "Ritmo: percussão popular", realizada por Nola Pompeo em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Aberta ao público em geral, não é necessário ter conhecimento musical prévio. As aulas acontecem terças e quintas-feira, entre 14h30min e 18h, na Unidade 8 da UFMS, nas imediações do curso de Música. Segundo o professor, as aulas de terça são voltadas para iniciantes, mas os alunos podem participar nos dois dias.

A oficina é parte do projeto de extensão "Tambores vento bom". O objetivo, segundo Nola, é habilitar as pessoas quanto a percepção rítmica, com exercícios de improvisação e composição. "Como as aulas são coletivas, acontece algo legal, que é a troca de experiências", conta Nola.

Nas aulas, são utilizados instrumentos como as caixas de guerra; as alfaias, que são os conhecidos tambores graves, com pele de cabra e afinação de cordas; o gonguê, uma campana feita com chapa de ferro; e os abês e os ganzás, mais conhecidos como chocalhos. Todos provém da cultura do Maracatu do Baque Virado, de Recife. Os instrumentos, exceto as caixas-de-guerra, são artesanais e fabricados por Nola e pelo recifense Maureliano Barravento.

As inscrições podem ser feitas diretamente no local, pelo email nola@nola.mus.br ou pelo telefone 8128-4097, e valem pelo período de quatro meses. O custo é de R$ 150, valor que é revertido para a manufatura e conservação dos instrumentos. Outras informações: http://www.nola.mus.br/ventobom.html.

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!