Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Orcírio diz que "arrebanhou" dez siglas e André conta com o apoio de onze

Orcírio diz que "arrebanhou" dez siglas e André conta com o apoio de onze
08/04/2010 20:33 -


Clodoaldo Silva, de Brasília
Maria Matheus, da Redação

 

O ex-governador e pré-candidato do PT ao Governo do Estado, José Orcírio dos Santos, disse que "arrebanhou" ontem, em Brasília, dez partidos para acompanhá-lo na disputa ao Governo do Estado.

Orcírio pretendia reunir-se com o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, mas descartou o encontro após conversa com interlocutores que apresentaram o seguinte cenário: "o PTB já fechou com o André (governador André Puccinelli) e o André fechou com o José Serra". Entretanto, ele manteve diálogo com o senador Fernando Collor, que é do PTB.

Questionado com quais líderes conversou, Orcírio falou que não anunciaria as legendas por causa dos "predadores" existentes no Estado. No período da manhã, ele informou que manteve diálogo com cinco líderes partidários.

 

PMDB

O principal rival de Orcírio na disputa, André Puccinelli, calcula que tenha o apoio "certo" de pelo menos onze partidos em sua campanha pela reeleição. Mas o número exato só será conhecido "na lavratura da ata do último dia", segundo ele. O peemedebista não quis especificar quais as siglas que já se comprometeram a integrar a coligação que será encabeçada pelo PMDB.

Quanto ao PR, que em nível nacional anunciou apoio à candidatura de Dilma Rousseff (PT) à sucessão presidencial, Puccinelli disse que a aliança não vai atrapalhar sua relação com os republicanos de Mato Grosso do Sul. "Não tem problema", assegurou o governador. No Estado, o PR comprometeu-se a apoiá-lo.

Felpuda


A lista do Tribunal  de Contas de MS,  com nomes de gestores que tiveram reprovados os balanços financeiros  de quando exerceram cargos públicos,  está deixando  muitos candidatos de cabeça quente.  Conforme previsto  pelo Diálogo, adversários estão se utilizando de tais dados para cobrar, principalmente nas redes sociais, deixando alguns gestores na maior saia justa e tendo que se explicar. O eleitor, por enquanto, só observa. E dê-lhe!