Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Orcírio sai da disputa se o PT se aliar ao PMDB no Estado

Orcírio sai da disputa se o PT se aliar ao PMDB no Estado
20/02/2009 23:59 -


     

LÍVIA FERREIRA

 

Pretenso pré-candidato à sucessão estadual, o ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos (PT) disse hoje que sai da disputa eleitoral se o seu partido aceitar fazer aliança com o PMDB no Estado. Orcírio enfatizou que não aceitaria ser subalterno do atual governador André Puccinelli (PMDB) e prefere voltar para a casa a ter que subir no mesmo palanque do seu maior rival político.

Em nível nacional, é cada vez maior o assédio do PT sobre o PMDB para fortalecer a pré-candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Presidente nacional do PMDB e agora com o comando da Câmara federal nas mãos, o deputado Michel Temer (SP) tem sido apontado como o nome preferencial dos petistas para ser vice de Dilma.

Mas Orcírio vai explicar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem passará este carnaval, que em Mato Grosso do Sul esta aliança não pode ser reproduzida porque André não é confiável. "O PMDB cumpre com um papel muito importante para governabilidade do presidente Lula, mas os Estados são realidades à parte (...) Vou ponderar também para o presidente que ele é meu líder. Se for uma decisão definitiva (fazer aliança com o PMDB no Estado), o Lula mandar, enfim, dizer que tem que ter, vou dizer: ? presidente, eu não vou ser empecilho. Agora, neste caso, o senhor me deixa fora. Vou cuidar da minha vida. Eu não quero ser subalterno do André".

Felpuda


Sem conseguir controlar a verborragia, figurinha estreante no mundo político-partidário, e que se acha “o último biscoito do pacote”, acabou batendo de frente com titãs da política. Primeiro perdeu os anéis e, agora, os dedos correm sérios riscos. Anda “ameaçando” deixar o lugar onde se encontra, só que por lá vem ouvindo frases como “se é por falta de adeus...”, “os incomodados que se mudem” e “não fará nenhuma falta”.

Como se vê...