Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Paralisação de policiais pode afetar aeroportos

Paralisação de policiais pode afetar aeroportos
14/04/2010 23:37 -


Cerca de 13 mil servidores da Polícia Federal devem promover hoje paralisação em todo o país para reivindicar reajuste salarial e a aprovação da lei orgânica da instituição, que está em discussão no Congresso Nacional. A ação deve atingir a emissão de passaportes em vários Estados e, principalmente, no embarque e desembarque de passageiros nos maiores aeroportos brasileiros.

Antes de os passageiros passarem pelo detector de metais nos aeroportos, os policiais exigirão que eles apresentem documentos de identificação e o comprovante de que fizeram o check-in. Atualmente, a conferência da documentação é feita por um funcionário da empresa aérea pouco antes do embarque na aeronave. Com essa ação, os aeroportos deverão ter longas filas e diversos voos correm o risco de sofrer atrasos.

Segundo a Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais), a operação-padrão nos aeroportos é uma forma de os policiais chamarem a atenção do público para suas reivindicações. “Se não fizermos barulho, o governo Lula não olhará para nós”, disse o diretor da federação, Francisco Sabino.
Conforme ele, os aeroportos de São Paulo, Guarulhos, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Belo Horizonte deverão receber a operação-padrão. Durante a paralisação, serão suspensos quase todos os serviços, entre eles o de atendimento ao público, emissão de porte de arma, atendimento a estrangeiros e controle de empresas de vigilância. A categoria manterá apenas os plantões e custódia de presos.

No caso da emissão de passaportes, os policiais de cada Estado têm autonomia para decidir como atuar, conforme a federação. Quem precisar tirar passaporte em caráter emergencial terá de aguardar até quinta-feira.

Felpuda


Casal de políticos muito conhecido a-do-ra cargos públicos, e, assim, “um puxa o outro” na maratona política, que inclui disputa de mandatos, direção de órgãos e até mesmo nomeações com prerrogativa de não ter de bater ponto. A nova empreitada agora é conquistar uma das prefeituras do interior. Em caso de derrota, é quase certo que os nomes de ambos deverão aparecer no Diário Oficial antes mesmo do fim deste ano.