Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Pesquisadores encontram plantas no Pantanal que combatem vírus da dengue

Pesquisadores encontram plantas no Pantanal que combatem vírus da dengue
20/01/2014 12:45 - veja


Uma pesquisa desenvolvida no Pantanal Mato-Grossense encontrou três espécies de plantas que inibem a replicação do vírus da dengue. A descoberta foi feita por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz que usaram extratos vegetais de 4.400 plantas coletadas em células infectadas com os vírus dos tipos 2 e 3. A próxima fase da pesquisa inclui testes em animais para avaliar a toxicidade das plantas.

A pesquisa faz parte de um programa da Fiocruz no interior do País, atualmente em nove Estados, além do Rio de Janeiro - Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Amazonas, Rondônia, Ceará, Mato Grosso do Sul e Piauí. No Mato Grosso do Sul, os trabalhos abrangem desde saúde indígena à busca por novas moléculas a partir da flora local, além da formação de mão de obra.

O trabalho de catalogar a flora do Pantanal Mato-Grossense foi feito em parceria com a Universidade Anhanguera-Uniderp, onde o curso de Agronomia já tinha catalogado 4.000 plantas.

Ao testarem as possibilidades terapêuticas das plantas, os pesquisadores chegaram a três famílias capazes de inibir a replicação do vírus da dengue. "Uma delas teve atividade fenomenal. Vamos tentar sintetizar a molécula e testar em modelo vivo", disse a pesquisadora Jislaine Guilhermino.

As regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste foram escolhidas como prioritárias por causa de "vazios de desenvolvimento de ciência e tecnologia", afirma o presidente da instituição, Paulo Gadelha.

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.