Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PF prende coreano foragido da justiça norte-americana

PF prende coreano foragido da justiça norte-americana
16/07/2010 16:30 -


     

        Policiais federais da representação da Interpol prenderam o coreano de nome Won Suk Nam, também conhecido pelo apelido de David, procurado pela justiça norte-americana desde 1993.
        
        Instalado no Brasil a partir de 1995, Nam era proprietário de diversas lojas de roupas femininas e de fotografia no centro de Belo Horizonte (MG). No entanto, o que ninguém suspeitava era que Nam, na verdade, era um foragido da Justiça dos EUA onde é acusado de integrar uma quadrilha que cometeu 20 assaltos, inclusive com uso de violência, durante o ano de 1993. Como Nam fugiu dos Estados Unidos, a Interpol (Polícia Criminal Internacional) foi acionada para investigar e descobrir seu paradeiro, até que ele foi localizado na capital mineira. 

        Ele passou um período sendo acompanhado de forma velada por agentes federais, enquanto eram cumpridos os trâmites burocráticos próprios dos processos extraditórios. O STF então acolheu o pedido da Justiça norte-americana e expediu um Mandado de Prisão Preventiva para extradição.
        
        Nam foi preso dentro de seu estabelecimento comercial, na Rua Tupinambás, e posteriormente encaminhado para a Penitenciária Nelson Hungria onde ficará recolhido aguardando a data de sua extradição para os EUA, onde responderá pelos diversos crimes cometidos.

         

(Assessoria de Imprensa da PF)

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!