Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

VANDALISMO

Pichações se alastram enquanto lei não é executada

Pichações se alastram enquanto lei não é executada
29/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


Enquanto a lei municipal que prevê aplicação de multa a pichadores e manda criar espaços públicos para grafitagem e outras manifestações artística não é regulamentada pela Prefeitura de Campo Grande, as pichações se alastram no município, principalmente na região central. A informação é do jornal Correio do Estado desta quarta-feira (29).

Nos últimos dias, a Morado dos Baís e o Teatro do Paço, ambos na Avenida Afonso Pena foram pichados, sempre com os mesmos desenhos: uma interrogação.

A reportagem de Patrícia Belarmino informa que, em novembro de 2013, o prefeito Alcides Bernal (PP) sancionou uma lei municipal, de autoria dos vereadores Eduardo Romero e Otávio Trad (ambos do PT do B), que previa aplicação de multa para quem fosse flagrado pichando em Campo Grande. Após a sanção do prefeito, a lei deveria ser regulamentada em 90 dias, o que ainda não ocorreu.

Para o vereador Eduardo Romero, autor da lei, a falta de fiscalização por parte da prefeitura tem contribuído para o aumento dos casos de pichações na cidade. “Falta, principalmente, uma fiscalização mais eficiente. Não é só a punição. Precisa ter uma campanha de conscientização da sociedade para que principalmente o jovem tenha outra forma de manifestar sua arte”, diz o vereador.

Responsável por investigar as pichações em Campo Grande, o delegado Antônio Silvano Rodrigues da Mota, titular da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e Proteção ao Turista (Decat), diz que a Polícia Civil já tenta identificar os responsáveis por pichações na área central do município. Diante das pichações sempre bem parecidas, ele diz que é provável que se trata de uma mesma pessoa ou grupo.  

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!