Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

'OPERAÇÃO 181'

PM ocupa nove bairros para combater o tráfico

PM ocupa nove bairros para combater o tráfico
12/02/2014 11:10 - LAURA HOLSBACK E VÂNYA SANTOS


A Polícia Militar (PM) desencadeou na manhã desta quarta-feira (12) operação denominada 181 para combater o tráfico de drogas em Campo Grande, na modalidade varejo. Foram expedidos 29 mandados, sendo 9 de prisão, dos quais três foram cumpridos e 20 de busca e apreensão, dos quais 8 foram cumpridos. Durante as buscas, 8 pessoas foram presas em flagrante, totalizando 11 prisões.

A operação contou com a participação de 330 policiais militares, incluindo homens do 1º, 9º e 10º Batalhão, além do Batalhão de Choque, do Centro de Formação e Aperfeiçoamento Policial (Cfap) e do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran).

De acordo com a polícia, um dos presos em flagrante foi Fábio Lima da Silva, de 27 anos. Em sua casa, no Bairro Aero Rancho, a PM apreendeu durante cumprimento de mandado de busca uma balança de precisão, duas motocicletas usadas para entregar drogas, uma farda do Exército Brasileiro, uma televisão de 40 polegadas, um revólver caibre .38, R$ 1.480, um aparelho celular e porções de maconha e cocaína.

Fábio foi preso por conta das drogas, mas não explicou a posse da farda, já que não pertence ao Exército Brasileiro.

Os mandados foram cumpridos nos bairros Aero Rancho, Nova Lima, Anache, Santa Emília, Zé Pereira, Colúmbia, Vida Nova, São Conrado e Tarumã.

Os trabalhos que resultaram na operação foram desenvolvidos nos últimos três meses e, após a operação, ações complementares serão feitas por tempo indeterminado nas regiões onde atuavam os traficantes presos.

A operação leva o nome de 181 em alusão ao número disponibilizado pela polícia para que a população denuncie os casos de tráfico de drogas. 

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.