Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONFIRMAR VOTO

Projeto permite uso de fone para deficiente visual

Projeto permite uso de fone para deficiente visual
30/12/2013 00:00 - folhapress


Projeto que visa assegurar o direito ao sigilo do voto à pessoa com deficiência visual poderá ser votado em 2014 pela CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania). As informações são da Agência Senado.

De autoria do senador Valdir Raupp (PMDB-RO), a proposta determina a inserção de um artigo na Lei Geral das Eleições para garantir ao eleitor cego o uso de fone de ouvido ou outro instrumento capaz de lhe informar, reservadamente, a opção eleitoral efetuada, antes que confirme a sua escolha.

Na justificativa do projeto, Raupp argumenta que o Código Eleitoral assegura ao eleitor cego, no momento do voto, o direito de usar qualquer elemento mecânico que trouxer consigo ou lhe for fornecido pela mesa.

No entanto, quando o Código Eleitoral foi elaborado, observa o senador, os votos ainda eram em cédula.

Assim, informa ele, muitos desses eleitores têm reivindicado o direito ao uso de fone de ouvido para que possam confirmar o voto.

O projeto tem parecer favorável do relator, senador Clésio Andrade (PMDB-MG). Para ele, a proposição, além de constitucional, tem mérito incontestável, pois contempla o princípio da dignidade da pessoa humana e o direito do eleitor ao sigilo de seu voto. Por isso, afirma, a proposta merece elogio por atualizar e aperfeiçoar, seja no plano formal seja no plano material, a lei que regula essa matéria.

Se for aprovado pela CCJ, o projeto segue direto para a Câmara, a menos que haja recurso para sua votação em plenário. 

Felpuda


Nos bastidores, há quem garanta que a única salvação, de quem está com a corda no pescoço, é ele aceitar ser candidato a vice-prefeito em chapa de novato no partido. Vale dizer que isso nunca teria passado por sua cabeça, uma vez que foi eleito com, digamos, “caminhão de votos”. Se aceitar a imposição, pisaria na tábua de salvação; se recusar, poderá perder o mandato. Ah, o poder!