Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DE OLHO NA URNAS

Saída de secretários define principais pré-candidatos

Saída de secretários define principais pré-candidatos
04/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


A reforma parcial do secretariado do governador André Puccinelli (PMDB) demarca território com a definição dos pré-candidatos a governador, senador, deputado federal e estadual, conforme reportagem na edição de hoje (04) do jornal Correio do Estado.

Seis dos 16 secretários, além de dirigente de empresa e oficial da Polícia Militar estarão deixando o governo de olho na campanha eleitoral. A vice-governadora Simone Tebet (PMDB) foi a primeira a deixar o cargo. Ela foi exonerada, ontem, da Secretaria Estadual de Governo para preparar terreno na sua caminhada ao Senado. Isto significa que realmente André está fora da disputa eleitoral. Simone assume hoje o governo e ficará até o dia 27 quando André estará voltando das férias.

O secretario estadual da Casa Civil, Osmar Jerônimo, vai acumular as funções suas com a de Simone até o fim do mandato de André.

Até o fim deste mês, o ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad Filho (PMDB) estará deixando a Secretaria Extraordinária de Articulação, de Desenvolvimento Regional e dos Municípios para se dedicar exclusivamente nas articulações de sua pré-candidatura ao governo estadual. Nelsinho é hoje o principal nome do partido para enfrentar o senador Delcídio do Amaral (PT) na sucessão estadual.

Outros integrantes da equipe que estarão deixando o governo são o presidente da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), José Carlos Barbosa e o comandante da Policia Militar, Coronel David. Os dois estão de olho numa das cadeiras da Assembleia Legislativa. A reportagem é de Adilson Trindade.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.