Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATACANTE

Santos pode tirar Leandro do Palmeiras

Santos pode tirar Leandro do Palmeiras
04/01/2014 00:00 - terra


O atacante Leandro não foi à reapresentação do elenco ontem (3), na Academia de Futebol, mas o Palmeiras ainda tenta mantê-lo para 2014. A intenção é acertar um novo empréstimo, até o fim de 2014, mas já há o temor de perdê-lo para o Santos. Alguns membros da comissão técnica alviverde dão a saída do jogador como certa e veem o rival como provável destino. O clube alvinegro, em contrapartida, nega interesse.

"A gente exerceu a prioridade de empréstimo por mais um ano. Agora falta negociar os salários com o jogador. Poderemos perdê-lo se não acertarmos com ele pessoalmente ou se vier uma proposta de compra nessa janela", disse o diretor-executivo palmeirense, José Carlos Brunoro.

Leandro estava emprestado pelo Grêmio até dezembro, e o clube alviverde tinha o direito de ampliar o vínculo por mais um ano, devendo apenas acertar um aumento salarial com o jogador. Os gaúchos já foram avisado do interesse, mas o problema está justamente no reajuste que o atacante receberá: ele pediu R$ 300 mil, enquanto a oferta foi de R$ 90 mil mensais.

Diante deste impasse, dificilmente um novo empréstimo será concretizado. A chance de permanência aumentará se o Palmeiras conseguir a ajuda de um investidor para pagar os 5 milhões de euros (R$ 16,2 milhões) que o Grêmio pede para vendê-lo - o Santos tem feito negócios com o Doyen Sports, grupo maltês que colocou Leandro Damião na Vila Belmiro.

O Grêmio observa a situação atentamente. Emprestá-lo para outro clube está praticamente descartado: o clube quer ficar com o jovem para a disputa da Libertadores ou lucrar com uma venda.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.