Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Servidores municipais protestam por reajuste

Servidores municipais protestam por reajuste
07/04/2010 23:39 -


Fábio Dorta, Dourados

Servidores da Rede Municipal de Ensino de Dourados ocuparam na manhã de ontem o corredor de entrada do Centro Administrativo Municipal (CAM) e fizeram  manifestação por reajuste salarial e melhores condições de trabalho. Em cerca de 60% das escolas de ensino fundamental não houve aula e os alunos foram dispensados.

Durante a manifestação aconteceu reunião entre dirigentes do Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação (Simted) e o secretário municipal de Governo Alziro Moreno, que terminou sem acordo. Os educadores querem reajuste superior a 40%, mas a prefeitura apresentou proposta de aumento 4,5% a partir de 1º de abril, subindo para 6% a partir de setembro.

Um novo encontro ficou marcado para a próxima sexta-feira, dia 9. De acordo com o sindicato, hoje os professores retornarão normalmente às salas de aula, mas não está afastada a possibilidade de  nova paralisação, que pode ser por tempo indeterminado, caso permaneça o impasse.

Tensão e negociações
O clima foi de tensão durante a ocupação da rampa de entrada do Centro Administrativo, com educadores denunciando que o coordenador da equipe de segurança teria ameaçado usar spray de pimenta contra os manifestantes. Apesar dos ânimos acirrados, não foi registrado nenhum ato de violência física.
O secretário de Governo disse ao Correio do Estado que a prefeitura vai estudar a reivindicação dos servidores da educação, mas a administração entende que não pode tomar medidas que coloquem em risco as finanças do município. Ele também considerou precipitada a manifestação ocorrida ontem.

Felpuda


Depois de se “leiloar” durante meses, e afirmando que estava até escolhendo o município para se candidatar a prefeito, ex-cabeça coroada não só não recebeu acenos amistosos, como também não encontrou portas abertas com tapete vermelho a esperá-lo. 

Assim, deverá pendurar as chuteiras e fazer como cardume em seu pesqueiro: nada, nada...