Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Sindicância apura abuso em apreensão de menor

Sindicância apura abuso em apreensão de menor
23/02/2010 03:59 -


O Comando-Geral da Polícia Militar (PM) determinou à Corregedoria-Geral da corporação que abra sindicância para apurar possível violência sofrida pelo menor suspeito de esfaquear um motorista de ônibus durante assalto, na última quarta-feira, em Campo Grande. O coronel Carlos Alberto David dos Santos, garantiu que tem documentos que comprovam que os menores foram entregues à delegacia sem lesões, no entanto, determinou a abertura do processo na manhã de ontem para tornar o caso mais transparente. O roubo ocorreu na Avenida Duque de Caxias e o adolescente foi apreendido na sexta-feira à tarde, no entanto, à noite retornou para casa porque para a Polícia Civil, ele não tem envolvimento no crime. O jovem teria sofrido violência policial e por isso mentido sobre a sua participação no assalto. Segu ndo con fi rmação feita no sábado pela titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude, Maria de Lourdes de Souza Cano, evidências indicavam que o adolescente não era quem havia cometido o roubo ao ônibus e ferido o motorista Francisco Veimar. Conforme o diretor-geral da Polícia Civil, Jorge Razanauskas, num primeiro momento o motorista reconheceu o autor quando a Polícia Militar lhe mostrou uma fotografia do menor, porém, duas horas mais tarde negou o mesmo reconhecimento a plantonistas do Centro Especializado de Polícia. “Hoje (ontem) nós mandamos procurá-lo novamente para fazer o reconhecimento e ele reconheceu. Temos que refazer tudo que foi feito até agora, mas é provável que em dois dias já tenha a solução deste caso”, garantiu.

Felpuda


Nos bastidores, conversas, ou melhor, quase sussurros, dão conta de que compromisso assumido teria prazo de validade se acontecer a vitória de aliado.

A partir de então, o papo passaria a ser bem, mas bem diferente mesmo, pois, com acordo cumprido, novos objetivos passariam a ser fonte dos desejos, e sem nenhuma moeda de troca.

No caso, não haveria mais sequer um fio de bigode. Tipo, cada um na sua.