Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

“LINO”

Sul-mato-grossense defenderá cinturão da Organização Mundial de Boxe na Capital

Sul-mato-grossense defenderá cinturão da Organização Mundial de Boxe na Capital
14/09/2010 10:00 -


JAKSON PEREIRA

A Federação de Boxe de Mato Grosso do Sul adiou novamente o combate internacional envolvendo o campeão latino pela Organização Mundial de Boxe (OMB), Laudelino “Lino” Barros, em Campo Grande. A luta seria disputada no mês passado, mas foi transferida inicialmente para o dia 18, sexta-feira, porém, foi novamente adiada e agora será no dia 25, porém ainda precisa da oficialização da OMB.
De acordo com o presidente da federação, Marcelo Nunes, as mudanças ocorreram por problemas com os adversários. “Primeiro tínhamos acertado a luta com o argentino Orlando Farias, mas ele perdeu um combate no mês passado e foi impedido de lutar; depois fechamos com outro argentino, Rodolfo de Dominicis, mas ele teve um problema com a Confederação Argentina de Boxe e também foi recusado pela OMB, agora está tudo certo com o equatoriano Hugo Anibal Abad”, comentou o dirigente.
A luta será no ginásio de esportes da Escola Joaquim Murtinho e o brasileiro, nascido no município de Bonito e que treina nos Estados Unidos, defenderá o cinturão latino OMB na categoria cruzador (90,7k) pela terceira vez.
Outro ponto importante na luta, é que Lino Barros ocupa atualmente a sexta posição no ranking mundial e caso conquiste a vitória, poderá desafiar o alemão Marco Juck pelo título mundial da categoria. Em seu cartel, o pugilista tem 32 vitórias, sendo 29 por nocaute e duas derrotas.
Os ingressos para o combate serão vendidos a partir de quinta-feira e os valores são de R$ 50 para as cadeiras ao lado do ringue e R$ 20 para a arquibancada.

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.