Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Talão eletrônico aperta cerco a infratores

Talão eletrônico aperta cerco a infratores
18/03/2010 02:01 -


Motoristas infratores devem, a partir de agora, redobrar os cuidados ao trafegar pelas vias de Campo Grande. Isso porque os novos equipamentos para fiscalização de trânsito na Capital são conectados em tempo real aos sistemas de informação da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública. Com isso, além de averiguar as infrações de trânsito cometidas pelo motorista, também será possível verificar, no momento da abordagem dos condutores, se há restrições criminais ou mandados de prisão. Dourados, Ponta Porã, Corumbá e Três Lagoas serão as próximas cidades em que os policias militares de trânsito utilizarão os talões eletrônicos de multa. São 30 aparelhos smartphones (computadores de mão) que foram entregues à Companhia Independente de Polícia Militar de Trânsito (Ciptran) e já começam a ser operados em Campo Grande. Por mês, o uso dos aparelhos terá custo de R$ 65 mil para o Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MS) e há previsão de que a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) também receba nova remessa de talões. O procedimento para notificar o condutor e os prazos para recorrer da multa não mudarão. Os equipamentos eletrônicos trarão mais agilidade na verificação de pendências do veículo e do condutor e emissão da notificação. A estimativa é de que somente com a eliminação da entrega de cartas registradas e de etapas de verificação das multas lavradas em papel sejam economizados R$ 70 mil por mês.

Felpuda


Sem conseguir controlar a verborragia, figurinha estreante no mundo político-partidário, e que se acha “o último biscoito do pacote”, acabou batendo de frente com titãs da política. Primeiro perdeu os anéis e, agora, os dedos correm sérios riscos. Anda “ameaçando” deixar o lugar onde se encontra, só que por lá vem ouvindo frases como “se é por falta de adeus...”, “os incomodados que se mudem” e “não fará nenhuma falta”.

Como se vê...