Colunistas

ARTIGO

A+ A-

Caminhos da vida

Continue lendo...

Um fenômeno incomodou, nesses últimos tempos, muitas pessoas, muitas famílias e, para dizer, a sociedade humana toda. Esse fenômeno foi denominado pandemia.

Obrigou as pessoas a evitarem contato físico com todo e qualquer ser humano, até da própria família. Assunto para todas as conversas e para todas as convivências.

Lembra algo que encontramos descrito nas páginas do Livro Sagrado, a Bíblia. O Mestre dos mestres estava em sua missão de anunciar o Reino. Ao entrar no Templo Sagrado, depara-se com um leproso, que se joga a seus pés e suplica em alta voz: “Se queres, podes me curar!”.

Diante dessa súplica, o Mestre se aproxima, toca com suas mãos e diz: “‘Quero. Fica curado’. Nesse instante, o homem se viu limpo e curado. Mas o Mestre acrescentou: ‘Vai! Mostra-te ao Sacerdote e faze tua oferta de purificação. Não te mostres a ninguém’. O doente fez a oferta, mas não se resguardou. Falou a todos”. (Mc. 1,40-45)

Desde esse tempo, certas doenças eram vistas como impuras. Isto é, quem fosse atingido pela lepra, deveria ser imediatamente banido da família e da comunidade.

Deveria manter-se isolado, vivendo em cavernas e sem contato algum com os familiares. Vejam que tristeza! Ser considerado impuro e proibido de ter contato até com sua esposa, ou marido, ou filhos, ou irmãos. Situação constrangedora.

Vemos o Mestre e Senhor rompendo a tradição, desobedecendo às leis e curando doenças. Para ele, a pessoa humana está acima de qualquer lei e de qualquer outro valor material, político, econômico e até religioso.
Mais uma manifestação do amor e da bondade de Deus.

Por onde ele passa, semeia bondade, carinho e ternura. Abre os olhos aos cegos. Abre os ouvidos aos surdos. Devolve a voz aos mudos. Recupera o andar dos paralíticos. Sacia os famintos. Perdoa pecados. Multiplica o pão. Devolve a vida a todos.

“Mais uma manifestação do amor e da bondade de Deus. Por onde ele passa, semeia bondade, carinho e ternura”.

Ele se revela como o Deus da vida e da esperança a tantos filhos pródigos perdidos em seus sonhos. Devolve a graça da vida nova a tantos Zaqueu, que andavam amargurados em seus roubos e falsidade, mas agora reencontraram a paz e a harmonia em suas consciências. Suas atitudes agora são de alegria.

Esse Deus se compadece da mãe que lamenta a morte do único filho que lhe garantia algum bem em seu sustento. Salva a mulher em seus pecados e desafia quem poderia se considerar inocente e sem pecado.

Em seu coração sempre haverá espaço para pecadores arrependidos, para famintos de justiça e esperança em suas dores. Para todos quantos estejam errantes em seu caminhar rumo à casa do Pai amoroso e acolhedor.
Para ele não existe pandemia, não existe lepra e nem solidão.

Tudo semeia, tudo reparte em solidariedade e amor participativo. Convida a todos e a todas a construírem um caminho de luz para quem se encontra na escuridão do pecado ou da ansiedade.

Suas palavras são palavras que consolam, confortam e estimulam a jamais desistir de seus sonhos. Por mais difícil que pareça o caminho, sempre será caminho. A maneira de caminhar vai depender do objetivo a alcançar, da obra a construir e do ideal a celebrar. 

 

Assine o Correio do Estado

CLÁUDIO HUMBERTO

"Politização da saúde e incompetência"

Deputada Bia Kicis (PL-DF) em balanço resumido do governo Lula (PT)

02/03/2024 07h30

Claudio Humberto Divulgação

Continue Lendo...

Contribuição’ retoma financiamento eleitoral ilegal

Há resistência no Congresso à volta da “contribuição” obrigatória, usada para bancar sindicalistas que ficam ricos com o dinheiro, porque políticos sabem o que está por trás do desespero das centrais sindicais e do ministro Luiz Marinho (Trabalho): restaurar a fonte de dinheiro que secou com a reforma trabalhista de 2017.

Eles querem retomar também formas de financiar candidaturas ligadas à esquerda, sobretudo ao PT. Não por acaso, o tema ressurgiu com força em pleno ano de eleições municipais.

Mortadelas’, a origem

A pelegada usou esse dinheiro para criar os “mortadelas”, gente pobre recrutada na periferia para fazer número em atos pró-governos petistas.

Farra com o alheio

Carros de som, palanques, churrascadas, trios elétrico e panfletagens de campanhas “de esquerda” eram pagos com dinheiro da “contribuição”.

Sem votos gratuitos

Com o fim da “contribuição”, o PT perdeu apoio no interior e nas grandes cidades. Não por acaso, foi goleado pela centro-direita, em 2022.

O crime perfeito

Sindicalistas também usaram os recursos em campanhas para difamar adversários, certos de que nunca serão fiscalizados por órgãos tipo TCU.

Cláusula de barreira provoca pânico nos partidos

Confrontos recentes, como no União Brasil, PDT e PSDB, têm um fio condutor, que provoca guerras e rupturas irreparáveis nos partidos: a cláusula de barreira.

Sem contar a disputa pelo controle dos bilionários fundões partidário e eleitoral, a exigência de desempenho a partir de 2026 ficará ainda mais rigorosa: partido sobreviverá se conseguir eleger ao menos 13 deputados federais ou somar 2,5% dos votos válidos, segundo a emenda nº 97, de 2017.

Diversos partidos correm risco de extinção se não passarem por fusões ou coligações permanentes.

Contorno à Lei

Para driblar a extinção de partidinhos como o PCdoB, o Congresso criou em 2021 a federação partidária, coligação de 4 anos de duração.

Cada vez menos

Em 2022, só 12 grupos (três federações e nove partidos) atingiram a exigência. Outros 16 não tiveram requisitos mínimos de votos e eleitos.

Barata voa da década

A partir de 2030, federações ou partidos terão que eleger 15 deputados no mínimo ou obter 3% dos votos válidos em nove estados brasileiros.

Rumo à irrelevância

Em vez de procurar no mundo democrático e próspero, Lula foi procurar sua turma em convescotes para disputar holofotes com ditadores tipo Nicolás Maduro, em busca de aplausos contra seus insultos aos judeus,

Pra boi dormir

O deputado Evair de Melo (PP-ES) desconfia da generosidade de Lula, o “filantropo do Caribe”, ao prometer investimentos internacionais, “como se no Brasil não estivéssemos com déficit primário de R$249,1 bilhões”.

Fui ali

Eleito presidente do União Brasil, Antônio de Rueda decidiu dar um tempo, viajando com a família ao exterior. Afasta-se, assim, do ambiente que rendeu ameaças de morte contra ele e até sua filha de 12 anos.

Trabalho dobrado

A segurança do aeroporto de Viracopos (SP) teve um trabalhão nesta sexta (1). Bolsonaro desembarcou por lá para cumprir agenda em São Paulo. O “ex-presidente desgastado” foi recebido por uma multidão.

Ladeira abaixo

A língua solta de Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, deixou sinais nas ações da empresa, que fecharam a semana em queda de mais de 4% após o ex-petista falar em redução de dividendos.

Pegou mal

Com ameaça de convocação pela oposição, a ministra Nísia Trindade (Saúde) suspendeu nota que flexibilizava o aborto. “A gente está falando da morte de crianças”, alertou o delegado Fábio Costa (PP-AL).

Dízimo do governo

O governo não desistiu de tentar garfar um pedaço do salário de líderes religiosos. A previsão é de que ainda em março a equipe de Fernando Haddad (Fazenda) mande uma proposta de tributação.

Vale um chiclete

Só piora a vida do pequeno investidor que apostou em papeis das Americanas. Depois de muito tempo na casa do R$1, a ação que já valeu R$121 fechou a sexta (1) valendo pouco mais de R$0,50.

Pensando bem...

...agora será a vez do ato “democrático” anti-manifestação.

PODER SEM PUDOR

Má companhia

Virgílio Távora era o governador do Ceará, em 1953, e viajava com o “coronel” Mário Leal em avião tão pequeno quanto precário. O motor parou. “Coronelzinho, são quatro horas da tarde e, pelo visto, nós ainda vamos ter tempo de jantar com os cão dos inferno!” desabafou Mário Leal.

Távora não gostou, mas não disse nada, preocupado. Até que o piloto fez o motor funcionar de novo e o avião pousou em paz. Távora cobrou do amigo: “Por que você disse que nós íamos jantar com os cão dos inferno?!” Mário Leal olhou para o céu, coçou o cangote e disse, com todo respeito: “Excelência, senhor governador, eu sei com quem eu ando...”

artigo

Trabalhadores de aplicativos: necessidades e vulnerabilidades diferentes

No Judiciário trabalhista ainda não existe uma jurisprudência sobre o tema

01/03/2024 07h45

Continue Lendo...

A tecnologia é uma realidade cotidiana irreversível. As plataformas, potencializadas pelos reflexos da pandemia da Covid-19, estão inseridas nas principais atividades da vida humana. São aplicativos de entrega, de transporte, de bancos, de compras, de vendas, etc.

E as relações construídas entre os trabalhadores que atuam nessas plataformas digitais vêm sendo fruto de discussões políticas e jurídicas que, aparentemente, buscam uma classificação equilibrada. 

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria de votos para reconhecer que a Corte deve unificar o entendimento futuro sobre o vínculo de emprego entre motoristas de aplicativo e a plataforma Uber, a chamada repercussão geral, mecanismo que obriga todo o Judiciário a seguir o entendimento da Corte Superior após o julgamento de um caso.

Após finalizar esta parte do caso, o STF marcará um novo julgamento para decidir definitivamente sobre o vínculo de emprego dos motoristas com os aplicativos. Vale destacar que no Judiciário trabalhista ainda não existe uma jurisprudência sobre o tema.

Grande parte das decisões da Justiça do Trabalho reconhece vínculo empregatício dos motoristas com as plataformas, mas o Supremo tem decisões contrárias.

Em paralelo, o Poder Executivo pretende encaminhar ao Congessso Nacional um projeto de lei que cria uma nova categoria de trabalhador autônomo: motorista de aplicativo.

O projeto de lei que estabelece os direitos trabalhistas a motoristas de aplicativos deve ser assinado em breve pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O texto foi consolidado após negociação entre Luiz Marinho, Ministro do Trabalho, e os representantes de trabalhadores de aplicativos.

De acordo com a proposta, a regulação do setor determina 7,5% de contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e uma remuneração com base no salário mínimo, com reajuste anual, e pagamento por hora trabalhada de R$ 32,09 (R$ 24,07 pelos custos e R$ 8,02 pelos serviços prestados).

E se trata de uma solução pela metade, pois o acordo foi firmado apenas com empresas de transporte de passageiros e encomendas. Os motoboys ficaram de fora da negociação e, assim, não seriam abarcados pela nova regra.

Todos usam o Uber, o iFood, a Loggi, entre outras tantas plataformas, e sabem de sua importância no mundo da velocidade das informações, da mobilidade, e enquanto consumidores, as plataformas políticas, na condição de consumidoras, certamente estão satisfeitas.

Mesmo assim, fecham-se em copas para não discutir o que mais importa, a saber: como podemos regulamentar de alguma forma os referidos trabalhos, olhando para cada modalidade, seja de entrega ou de transporte, de forma que possamos manter essas relações de trabalho dentro de um espectro social aceitável no presente e em uma visão de futuro.

A importância dessa discussão se torna absolutamente relevante, pois, ao contrário das alterações ocorridas pós o fordismo e o taylorismo, quando se iniciou a horizontalização das empresas e retirou-se de dentro delas atividades específicas e essas atividades e postos de trabalho migraram para novas empresas, na era presente, esses postos de trabalhos não migrarão, tendo em vista a necessidade de mão de obra especializada e da existência da inteligência artificial, que poderá dispensar, em breve, até mesmo a presença do motorista.

É preciso, então, a existência de uma discussão com o mínimo de seriedade, inclusive ouvindo os trabalhadores que atuam em tais circunstâncias, para entender os reais pontos de vulnerabilidade.

Um desses pontos, certamente, é o recolhimento de contribuições previdenciárias, que deveriam, em uma visão ampla, em regra, ser de responsabilidade das empresas.

Contudo, como antedito, devemos separar em faixas de necessidades e de vulnerabilidades existentes, pois não é possível enquadrar em um mesmo modelo um motorista da Uber e um entregador de bicicleta, visto que claramente têm necessidades e vulnerabilidades diferentes.

NEWSLETTER

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo.

Fique Ligado

Para evitar que a nossa resposta seja recebida como SPAM, adicione endereço de

e-mail [email protected] na lista de remetentes confiáveis do seu e-mail (whitelist).