Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ARTIGO

Fausto Matto Grosso: "Mega-Sena da Virada"

Engenheiro civil e professor aposentado da UFMS
27/12/2019 02:00 -


As loterias são jogos de azar, ou seja, para que um tenha sorte, todos os outros têm de ter azar. Eis uma bela metáfora sobre a sociedade. 

A loteria teria surgido na Babilônia de Nabucodonosor II. O imperador, um personagem do Primeiro Testamento, era dado a ter sonhos cujo interpreteera o profeta Daniel. Certa vez o sonho avisou que ele teria uns tempos de maluco beleza, o que, de fato, aconteceu.

Por ser um assunto importante, trataram de loterias os intelectuais Jorge Luís Borges e Zigmunt Bauman e até os malucos belezas Raul Seixas e Paulo Coelho.

Pelo conto de Borges, fica-se sabendo que a loteria na Babilônia era um jogo de caráter plebeu. Comprava-se dos barbeiros, em moedas de cobre, retângulos de osso ou de pergaminho adornados de símbolos. Quando dos sorteios, os contemplados recebiam os prêmios em moedas de prata. Depois de certo tempo, essas loterias fracassaram. A sua virtude moral era nula. Não se dirigiam a todas as faculdades do homem: unicamente à sua esperança.

Adveio então uma reforma: a intercalação de alguns números adversos entre os números favoráveis. Os números de azar poderiam conduzir o apostador ao pagamento de uma multa, à prisão ou até a mutilação de algum dedo. Mediante essa reforma, os compradores expunham-se ao duplo risco de ganhar ou ser castigado, ou seja, às vicissitudes do terror e da esperança. Esse perigo despertou, como é natural, maior interesse do público. 

Dialogando com o conto de Borges, Bauman observou que a loteria é uma instituição que recicla a vida mortal, transformando-a numa sequência interminável de novos começos. Cada novo começo pressagia outros riscos, mas num pacote que compreende novas oportunidades. Nenhum dos começos é definitivo e irrevogável. Assim a vida caminha, acompanhada da incerteza e da esperança.

O século 20 foi um período em que era possível planejar e criar metas em longo prazo. Hoje, é preciso ser rápido, planejar em curto prazo, o que torna tudo inseguro e passível de mudanças. É a sociedade líquida de que fala Bauman. A vida nunca é definitiva e o recomeço tem de ser feito a cada três ou quatro dias. 

Assim, vivemos de domingo a quarta, dia de Mega-Sena, e recomeçamos tudo novamente de quinta a sábado, sempre instigado pelo maluco beleza Raul Seixas, que ensinava que, “como não sabemos por inteiro, ganhar dinheiro, o que é muito fácil, não podemos parar”.

Afinal, para nossa tranquilidade espiritual, ganhar dinheiro não é pecado. Respeitáveis estudiosos mostram que a Bíblia não condena o jogo. A Bíblia, entretanto, nos alerta para que fiquemos longe do amor ao dinheiro (I Timóteo 6:10; Hebreus 13:5). As escrituras também nos encorajam para que fiquemos longe das tentativas de “enriquecimento fácil” (Provérbios 13:11; 23:5; Eclesiastes 5:10). Certamente, o jogo gira em torno do amor ao dinheiro e inegavelmente tenta as pessoas com a promessa de riqueza fácil e rápida, mas jogar por distração é prática aceitável para os seguidores de Deus. Espero que não haja discriminação quanto aos outros. Para que seja legal e moral, basta que tenhamos merecimento. Afinal, quem de nós não levou buzinada neurótica, só porque estava dentro do limite de velocidade? Quem não teve de esperar no 0800, escutando musiquinha ou marketing, enquanto ansiava pelo inatingível atendimento de uma pessoa humana atenciosa? Quem não procurou cortar caminho pelo atendimento digital e ao fim este mandou ligar para o atendente inacessível? Quantos esperaram por cartões de créditos, nos últimos três meses, e quando o cartão chegava não vinha a senha, ou vice-versa? Quantos foram colocados como caloteiros, na compra de aplicativos e outros serviços digitais, porque o número do cartão mudou sem que pedíssemos? Espero que esses méritos sejam computados nos critérios da premiação. Que vençam os justos e os oprimidos.

Se não é pedir muito, em 2020, espero que a reforma fiscal não acabe com esse único imposto justo, o imposto sobre a esperança.

 

Felpuda


Falatório e atitude de membro da família acenderam a luz vermelha no “QG” de candidato, pois poderão causar muitos estragos. 

A tropa de choque de defensores do candidato a prefeito já foi colocada em campo e só falta falar que os genes de ambos são diferentes. 

E com relação ao dito-cujo, sabe-se que deverá ser orientado a “baixar a bola” nos próximos dias, mais precisamente até o término da campanha eleitoral.

Afinal...