Clique aqui e veja as últimas notícias!

OPINIÃO

Ruben Figueiró: "A Fadiga dos Partidos Políticos"

Ex-senador da República
05/07/2016 01:00 -


Não é raro dizer-se quando há um desastre aéreo atribuir-se como causa a fadiga dos materiais componentes da aeronave, em virtude de seu intenso ou longo uso. Assim também quando se assiste (e se deplora) a senectude de propósitos dos atuais partidos políticos. Pode-se afirmar que tal tem semelhança com a fadiga dos velhos aviões. Esses como as agremiações partidárias perdem a confiança popular. É um fenômeno que ocorre atualmente nas chamadas democracias existentes no mundo.

O surpreendente resultado do Referendo ocorrido no Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales, Irlanda do Norte, Ilhas Malvinas e demais possessões espalhadas ao redor do Globo Terrestre) é um claríssima comprovação da fadiga de credibilidade dos Partidos Conservador, tradicionais contendores pelo comando da Great Britain. O Primeiro Ministro, que é Conservador, o Chefe do Trabalhismo aliaram-se pela permanência do Reino Unido na Comunidade Europeia de Nações. Porém seus seguidores dividiram-se de opinião, muitos não seguiram o comando central. David Cameron, Pimeiro Ministro, deixará a Chefia do Gabinete, sente-se desprestigiado; Jeremy Corbyn, presidente do Labour Party, está zonzo e ameaçado de perder o cargo.

O fenômeno tsunâmico está deixando a nu o que ocorre pela Europa, com partidos em frangalhos, com dissidências cada vez mais evidentes. Na França, com François Holand, na Alemanha, com Angela Merkel, os dois países de maior expressão econômica da União Europeia – apenas para citá-los dos vinte e sete integrantes do Bloco. Nos Estados Unidos, tanto o Partido Democrata como o Partido Republicano, em plena contenda pela conquista da Casa Branca, estão sob a desconfiança de seus próprios filiados e eleitores.

Aqui pelas nossas bandas, as recentes eleições na vizinha Argentina deixaram às claras profundas divergências e distensões internas no Partido Peronista. Que dizer com o que acontece em nosso país? A dúvida vem de longe, desde o falho ato político do AI-II, em novembro de 1965, no Regime Militar, extinguindo as então consolidadas siglas partidárias existentes desde a redemocratização com a queda do Estado Novo do ditador Getúlio Vargas, UDN, PSD, PS, PTB, PSB, PSP e outros, substituindo-os pelos fantasmagóricos ARENA e MDB, levando o eleitorado perder a noção de partidos orgânicos e programáticos - ressalto.

A Carta magna de 1988, impondo uma nova legislação eleitoral confundiu ainda mais a conceituação do quadro político-partidário. Na realidade, os chamados grandes partidos se confundem com as pequenas siglas (exceção das de conteúdo ideológico) com chefias espertas armadas com argumento de precioso “tempo” nos organismos de comunicação social para tradições vantajosas. Os grandes perderam a noção programática e vivem profundas distensões de consciência. Os pequenos, sem eira nem beira doutrinária, até parecem bezerros “guaxos” …

O povo advertido com os escândalos do mensalão, robustecido com o advento e em plena execução a Operação Lava Jato que desmancha os entreveros do petrolão, estarrecido com os escândalos que estão surgindo a cada dia, tende a fugir das próximas eleições municipais ao considerar inexistências de opções válidas. È triste afirmar.