Clique aqui e veja as últimas notícias!

CAMPO GRANDE

Assessor do vereador Ademir Santana é preso com droga avaliada em R$ 435 mil

41 quilos de pasta base foram encontrados com o assessor; vereador anunciou exoneração
05/01/2022 11:32 - Glaucea Vaccari


Um assessor parlamentar do vereador Ademir Santana (PSDB) foi preso com 41 quilos de pasta base de cocaína, na noite de ontem (4), em Campo Grande.

De acordo com o Batalhão de Choque da Polícia Militar, a prisão aconteceu no bairro São Conrado.

O assessor Robson José Ximenes, e um outro homem, identificado como Luiz, foram flagrados pela equipe do Choque em atitudes suspeitas.

Em uma residência, foram encontrados, com ajuda de um cão farejador, os 41 quilos de pasta base, que estava dividida em tabletes.

Um veículo Prisma usado pela dupla também foi apreendido.

Conforme o Choque, a droga foi avaliada em aproximadamente R$ 435 mil.

O assessor, que também era líder comunitário, e o comparsa, vão responder por tráfico de drogas.

Em nota, o vereador Ademir Santana afirma ter ficado surpreso com o envolvimento do assessor em ocorrência policial, pois a conduta do mesmo no trabalho era correta.

Ainda na nota, o parlamentar afirma que Robson apresentou certidões negativas, mas, devido ao ocorrido, será exonerado.

A Câmara Municipal de Campo Grande também confirmou que todas as medidas para a exoneração imediata já foram tomadas.

O presidente da Casa de Leis, vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão, afirma que a conduta do assessor mancha a imagem do vereador.

"O cara está aprontando, estragando o vereador e o trabalho. Não pode acontecer, ele com cargo de assessor e aprontando rolo. Não compactuo com isso. Enquanto eu for presidente, qualquer ato desse, se o vereador não concordar, eu mesmo exonero", afirmou, em nota.

Ademir Santana foi eleito como suplente de vereador nas eleições de 2020 e assumiu, em maio do ano passado, a vaga deixada por João César Mattogrosso (PSDB), que se licenciou do cargo para assumir a Secretaria Estadual de Cultura e Cidadania.

O vereador já foi alvo de uma das fases da Operação Omertà, em outubro de 2020. Na ocasião, mandados de busca e apreensão foram cumpridos na casa e chácara do parlamentar.