FRONTEIRA DO CRIME

Atingido pelas costas, jornalista jantava com o filho quando foi executado

Leo Veras foi assassinado no quintal de casa, em Pedro Juan Caballero
13/02/2020 09:32 - Eduardo Miranda


 

O jornalista Leo Veras jantava com seu filho, sua esposa e seu sogro quando foi assassinado por uma dupla de pistoleiros, no quintal de casa, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai, cidade fronteiriça com Ponta Porã. Conforme a polícia do Paraguai, a maioria dos 12 tiros que ceifaram sua vida foram disparado pelas costas.  

O diário Paraguaio ABC Color informa em reportagem que os criminosos chegaram à casa do jornalista, no Jardim Aurora, em uma caminhonete branca. Os dois pistoleiros, fortemente armados, usavam capuz. O motorista ficou na caminhonete.

O Ministério Público do Paraguai já designou uma equipe de promotores para investigar a execução. Os bandidos entraram facilmente na casa, porque o portão estava aberto.  

Durante o jantar com a família, Veras saiu correndo dos criminosos, mas a tentativa foi em vão. Ele chegou a ser socorrido, levado para o hospital Viva Vida, mas morreu 18 minutos depois de ter recebido socorro.  

Apesar de os pistoleiros usarem capuz, a polícia do Paraguai informou que já tem suspeitas sobre quem são os criminosos. 

Com nacionalidade brasileira e paraguaia, Veras era proprietário do site Porã News, que veiculava notícias da fronteira, em português e em espanhol. 

 
 
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".