Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FRONTEIRA

Chácara do crime organizado era depósito de fuzis e explosivos

Dois sul-mato-grossenses e um carioca foram presos
09/02/2020 19:30 - Eduardo Miranda


 

Policiais do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) que atuam na Operação Horus, da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça, apreenderam grande quantidade de fuzis, munições, granadas, explosivos, coletes balísticos e um utilitário esportivo Toyota SW4 blindado. A suspeita da polícia é de que o automóvel seria usado em assaltos na região, ou mesmo em execuções na fronteira.  

O motorista do veículo, uma caminhonete, disse que tem fazendas no Paraguai, e que viajava para Ponta Porã para fazer compras. No carro ainda estava um rapaz de 25 anos, sobrinho do motorista, e um outro homem de 28 anos, que disse que veio do Rio de Janeiro (RJ) para trabalhar na chácara do dono do carro blindado.  

A abordagem foi feita em uma chácara, na zona rural de Ponta Porã. Os policiais do DOF desconfiaram do local ao perceber que homens que estavam na entrada da propriedade se esconderam ao ver a equipe da polícia.  

Os policiais apreenderam um fuzil, uma carabina, explosivos e maconha na varada da casa. No quintal havia mais fuzis enterrados.  

Ao todo foram apreendidos: 89 emulsões encartuchadas (explosivos) com peso de 26,7 quilos; 1.661 munições de vários calibres (entre eles os de fuzil 7,62, 556 e .30); três granadas; dois coletes balísticos; 15 fuzis; duas carabinas; três rolos de cordel detonante; três caixas de espoletas; 0,400 gramas de maconha; e, 53 carregadores para diversos calibres.

O caso foi registrado na Polícia Federal de Ponta Porã, que irá ajudar nas investigações. 

 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.