Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CARNAVAL

Em confusão, PM usa balas de borracha para conter foliões; 5 foram presos

Policiais dizem que foram atacados pelas pessoas com pedras e garrafas de vidros
23/02/2020 10:34 - Bruna Aquino


PMs foram recebidos na folia com pedradas e garrafadas - Reprodução
 

A madrugada de carnaval foi bastante tensa principalmente nos entornos da Esplanada Ferroviária em Campo Grande que reuniu ontem (22) cerca de 35 mil pessoas. O Batalhão de Choque em conjunto com o 1° Batalhão da PM utilizaram balas de borracha e gás lacrimogêneo para dispersar grupo de foliões. Já nas redes sociais, foliões informaram que os policiais agiram de forma bastante violenta contra eles.

Segundo informações do Batalhão de Choque, quando as equipes policiais chegaram ao local para dispersão do público, diversas pessoas foram insultados e atacados por garrafas de vidro e pedras que também atingiram as viaturas. 

Ainda segundo a polícia, ao todo cinco pessoas foram detidas. Três pessoas pelos crimes de desacato, desobediência e resistência, e um motociclista que estava pilotando pela contramão da Rua Antônio Maria Coelho embriagado e sem capacete.

GUARDA MUNICIPAL

Também realizando o patrulhamento de segurança em torno da Esplanada Ferroviária, a Guarda Municipal deteve pelo menos dois jovens e apreendeu um deles, adolescente de 17 anos por tráfico de drogas. Um dos foliões foi detido por desacato a autoridade.  Assim como a PM, os guardas também foram xingados pelos foliões durante abordagens. 

Da Guarda Municipal fizeram a segurança 130 agentes em torno da Esplanada. 

 
Populares disseram que policiais agiram com violência sem motivos - Reprodução/WhatsApp

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.