Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PUBLICIDADE

Em MS, Gaeco combate quadrilha que fraudou contratos de R$ 120 milhões em Rondônia

Policiais cumprem mandados em Rondônia, Campo Grande, Brasília e São Paulo
19/02/2020 08:33 - Eduardo Miranda


 

Equipes do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) cumprem três mandados de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira (19) em Campo Grande. Eles dão apoio ao Gaeco de Rondônia em Operação Propagare, que combate quadrilha suspeita de praticar crimes de corrupção na licitação e contratação de serviços de publicidade que já consumiram R$ 120 milhões dos cofres públicos do estado da região Norte.  

A operação é ampla, além do cumprimento de três mandados em Campo Grande, as equipes do Gaeco cumprem mandados nas cidades de Ji-Paraná, Ariquimes, Cacoal e a capital Porto Velho. Também ações em Brasília (DF) e em São Paulo (SP).  

Na Capital de Mato Grosso do Sul, um dos endereços em que são cumpridos mandados de busca e apreensão é localizado no Bairro Vilas Boas.  

Conforme o Gaeco de Rondônia, o grupo é especializado em fraudar processos licitatórios da área de publicidade, com direcionamento das concorrências e supostos desvios das verbas de publicidade. Agentes políticos e servidores também estariam envolvidos.  

Em Rondônia participam da operação 35 delegados de polícia, 140 policiais, quatro peritos, quatro analistas do Tribunal de Contas daquele estado.  

As contratações ilícitas tiveram início no ano de 2011, sendo os contratos aditivados ao longo do tempo. Em síntese, os envolvidos direcionavam as licitações de publicidade para beneficiar a empresa investigada, que de forma ilícita, superfaturava e subcontratava outras empresas pertencentes a familiares. 

Felpuda


É quase certo que a aposentadoria deverá ocorrer de maneira mais rápida do que se pensava em determinado órgão. O que deveria ser a tal ordem natural dos fatos acabou sendo atropelada por acontecimentos considerados danosos para a imagem da instituição. Os dias estão passando, o cerco apertando e já é praticamente unanimidade de que a cadeira terá de ter substituto. Mas, pelo que se ouve, a escolha não deverá ser com flores e bombons de grife.