Clique aqui e veja as últimas notícias!

OPERAÇÃO HARPÓCRATES LL

Empresário acusado de contrabando e lavagem de dinheiro responderá por crimes em liberdade

Rogério será monitorado por tornozeleira eletrônica durante 180 dias
31/05/2021 18:00 - Thais Libni


O empresário Rogério Rodrigues Reis, preso durante a operação Harpócrates ll na quarta-feira (26) por contrabando de produtos eletrônicos, evasão de divisas e lavagem de dinheiro pagou fiança de R$ 11 mil e foi liberado da delegacia após 72 horas detido.  

De acordo com o advogado de defesa, Pedro Garcia, o juíz da 5ª Vara Federal de Campo Grande, Dalton Igor Kita Conrado concedeu liberdade provisória com medidas cautelares a Rogério por entender que o mesmo não gera perigo a sociedade.

Últimas Notícias

"A Lei brasileira prevê que a prisão preventiva deve sempre ser exceção, aplicada apenas em última hipótese, quando o magistrado compreender, por exemplo, haver risco à ordem social em caso de liberdade do acusado. No caso do Rogério, evidentemente não há nenhum risco à sociedade", disse Pedro Garcia a reportagem do Correio do Estado.

O dono das duas unidades R3 Imports em Campo Grande e Chapadão do Sul, será monitorado por tornozeleira eletrônica durante 180 dias, devendo respeitar recolhimento noturno e impossibilidade de se ausentar da Comarca de Campo Grande.

Durante a ação Harpócrates ll, realizada pela Polícia Federal de Mato Grosso do Sul e Receita Federal do Brasil foram apreendidas todas as mercadorias das unidades e um porsche.

Operação

A Polícia Federal de Mato Grosso do Sul e Receita Federal do Brasil deflagraram Operação Harpócrates II, na quarta-feira (26), na loja R3 Imports sediada no hotel Grand Park em Campo Grande após denúncias de contrabando de produtos eletrônicos, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

De acordo com as informações repassadas pela polícia, os comerciantes enviavam doleiros para pagar fornecedores de mercadorias no Paraguai. Depois, traziam os produtos eletrônicos para o Brasil, sem pagar os impostos.

Empresas de fachadas eram utilizadas para expedir notas fiscais para justificar a entrada das mercadorias, depois os equipamentos eram revendidos em Mato Grosso do Sul.

Assine o Correio do Estado