Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

OMERTÀ

Ex-guarda envolvido na milícia de Name tem prisão revogada após um ano

Igor Cunha de Souza terá que usar tornozeleira eletrônica e cumprir medidas cautelares
25/10/2020 14:55 - Glaucea Vaccari


Ex-guarda municipal preso durante uma das fases da Operação Omertà, Igor Cunha de Souza teve a prisão preventiva revogada pela Justiça e foi solto, mas deverá cumprir medidas cautelares, como uso de tornozeleira eletrônica.

Cunha foi preso em 27 de setembro de 2019, em Campo Grande, em cumprimento a mandado de prisão. No dia da prisão, policiais encontraram, na residência do acusado, balança, caderno com anotação de movimentação de venda de drogas e diversas porções de cocaína, além de um revólver calibre .32.

Em dezembro do ano passado, ele foi transferido para o Presídio Estadual de Dourados (PED). Cunha também foi exonerado da Guarda Municipal.

Ele é acusado de integrar organização criminosa armada, chefiada por Jamil Name, corrupção passiva e extorsão.

De acordo com decisão do juiz Roberto Ferreira Filho, Cunha possui, em tese, função sem destaque no núcleo dos apoiadores da organização.

Em denúncia, ele foi apontado como o responsável por filmar agressão em episódio de extorsão, conforme diálogo trocado com o também ex-guarda municipal, Marcelo Rios, o que demonstraria periculosidade.

No entanto, segundo o juiz, quanto a esta alegação, não foi ouvida a suposta vítima e a versão apresentada pelos demais acusados aponta pela não participação de Cunha na agressão.

Além disso, análise da denúncia verificou que ele compõe o núcleo de apoiadores, ao lado de outros  acusados, e não tem posição de destaque ou privilegiada na hierarquia da organização.

Alegações apresentadas pelo Ministério Público Estadual contra Cunha restringiram-se, sobretudo, a participação dele como prestador de serviços na residência de Jamil Name e Jamil Name Filho.

Magistrado afirma também que o ex-guarda foi acusado apenas em um dos autos da operação Omertà, por integrar organização criminosa armada, corrupção passiva e extorsão, ou seja, “sem indícios robustos acerca da sua participação na execução de outros delitos graves”.

Ferreira Filho destacou ainda que o acusado é réu primário, tem bons antecedentes, trabalho lícito e residência fixa, que contribuem para demonstrar as condições pessoais favoráveis a substituição da prisão por medidas cautelares.

Dessa forma, a prisão preventiva foi substituída por cautelares e o ex-guarda municipal solto mediante uso de tornozeleira eletrônica.

Ele também deverá comparecer periodicamente em juízo, não mudar de residência sem comunicação à Justiça, não se ausentar da comarca sem prévia autorização, comparecer a todos os atos para o qual for intimado, cumprir recolhimento domiciliar das 20h às 6h de segunda a sexta-feira e durante todo o dia aos sábados, domingos e feriados.  

Cunha também está proibido de manter contato com testemunhas e demais réus dos processos originados da Omertà.

 
 

Felpuda


Comentários ouvidos pela “rádio peão”, em ondas curtas, são de que figurinha só ganharia apoio dos colegas caso pessoa agregada fosse “curtir a aposentadoria” de uma vez por todas. Como seu acordo político acabou naufragando nesta campanha, agora dito-cujo estaria querendo recuar e não ceder o lugar. 

Isso até poderia acontecer, se não fosse a sua, digamos, eminência parda. Afe!