Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FRONTEIRA

Governo escala DOF e policiamento aéreo para localizar homem que matou Lanzarini

Ex-prefeito de Amambai e assessor do governo foi baleado na cabeça durante discussão
24/02/2020 19:29 - Eduardo Miranda


 

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou por meio de nota, nesta segunda-feira (24) que criou uma força-tarefa para localizar o autor do assassinato do assessor especial do Escritório de Gestão Política de Mato Grosso do Sul, Dirceu Lanzarini. Foram escaladas equipes do Departamento de Operações de Fronteira (DOF), Delegacia de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron), Grupamento de Policiamento Aéreo, além de policiais militares e civis da região para tentar localizar e prender o autor do crime.  

Funcionário de Lanzarini há 10 anos, Luiz Fernandes é apontado como o autor do crime. Ele teria atirado contra Lanzarini e o genro dele durante discussão na fazenda do assessor especial. O trator que Fernandes usou na fuga já foi encontrado.  

Lanzarini foi atendido em Dourados pouco antes do meio-dia. No início da tarde, notícias da morte dele foram veiculadas em redes sociais, enquanto os médicos tentavam reverter as duas paradas cardíacas que ele teve no hospital. A morte de Lanzarini foi confirmada pelo prefeito de Amambai, Edinaldo Luiz de Melo Bandeira.

Lanzarini teve uma tensa discussão com Fernandes, funcionário de sua fazenda há pelo menos 10 anos. Não foram revelados detalhes do bate-boca, mas o uso de sementes na propriedade teria motivado do embate.  

Secretário especial no governo de Mato Grosso do Sul, Lanzarini foi prefeito de Amambai por dois mandatos, e também foi deputado estadual. 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.