Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORONAVÍRUS

Guarda fecha mais comércios no 1º dia com toque de recolher as 20h

Foram 56 estabelecimentos fechados e 155 pessoas abordadas durante ação
27/03/2020 10:34 - Daiany Albuquerque


 

No primeiro dia em que o toque de recolher funcionou às 20h em Campo Grande a Guarda Civil Metropolitana precisou fechar 56 estabelecimentos comerciais, localizados nas sete regiões de Campo Grande, número maior do que o que vinha ocorrendo quando a determinação era de fechamento às 22h.

Conforme balanço divulgado pela corporação, entre a noite de quinta-feira e madrugada desta sexta-feira (27) foram abordadas 155 pessoas, que foram orientadas a permanecerem dentro de suas residências.

Atuaram na fiscalização de ontem para hoje 56 guardas municipais, com 13 motocicletas e 12 viaturas de quatro rodas.

Ainda segundo a Guarda Municipal, dois estabelecimentos comerciais tiveram que ser pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) por descumprir decreto da Prefeitura de Campo Grande.

O toque de recolher foi estabelecido pela administração municipal desde sábado (21), por conta do avanço do Covid-19, o novo coronavírus. Em Campo Grande já são 23 casos confirmados da doença, de acordo com o último balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Em todo o Estado já são 25 casos, com um confirmado em Sidrolândia e outro em Ponta Porã.

O boletim ainda mostra que a secretaria ainda investiga a possibilidade de outras 53 pessoas estarem com a doença. Desde que o novo coronavírus chegou ao país, 299 casos foram descartados da doença em Mato Grosso do Sul.

 
Guarda Civil Metropolitana orienta moradores a permanecerem dentro de casa - Divulgação/GCM

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.