Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PREVENÇÃO

Guardas fecham 37 comércios que descumpriram toque de recolher

Mais de 100 pessoas foram orientadas a entrarem em suas casas
29/03/2020 10:55 - Izabela Jornada


 

Em mais uma operação da Guarda Municipal, no cumprimento do decreto do “Toque de Recolher”da Prefeitura de Campo Grande, 37 estabelecimentos comerciais foram fechados na noite deste sábado (29).

De acordo com a guarda, dos donos de estabelecimentos que foram orientados, nenhum proprietário apresentou resistência ou algum tipo de reclamação.

Além dos comércios que estavam abertos, 160 pessoas foram abordadas e orientadas a permanecerem do lado de dentro de suas residências.

Durante a fiscalização, um cidadão foi detido por descumprimento do decreto municipal.

Guardas também conseguiram orientar e levar três moradores de rua que aceitaram apoio do abrigo na Escola Municipal Plinio Barbosa Martins.

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), após denúncias que bares e lanchonetes não estavam obedecendo ao decreto de quarentena, que tem o objetivo de prevenir a contaminação do novo coronavírus na cidade, ele determinou toque de recolher a partir das 20h até às 5h. O novo horário será de quinta-feira a domingo.

Este sábado foi o terceiro dia do decreto com horário reduzido. No segundo dia, 27 estabelecimentos foram fechados.

De segunda à quarta-feira, o horário do toque de recolher continua sendo das 22h às 5h.

As medidas foram aplicadas por meio de decreto publicado no último dia 25 de março.

Novo decreto publicado um dia depois, 26 de março, flexibilizou a abertura de restaurantes na Capital. Os estabelecimentos poderão funcionar com 30% dos clientes.

Na operação, 30 guardas municipais estão sendo disponibilizados para fazerem a ronda na cidade.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.