Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MÍLICIA

Jamil Name, policial federal e ex-guardas viram réus por execução de Playboy da Mansão

Morte do empresário foi motivada por vingança, devido a ele ter dado soco em Name Filho
20/08/2020 15:31 - Glaucea Vaccari


Juiz da 2ª Vara Criminal de Campo Grande, Aluizio Pereira dos Santos, aceitou denúncia contra Jamil Name, Jamil Name Filho, o policial federal Everaldo Monteiro de Assis, ex-guardas municipais Marcelo Rios e Rafael Antunes Vieira e os pistoleiros Juanil Miranda Lima e José Moreira Freires pela execução de Marcel Costa Hernandes Colombo, 31 anos, conhecido como Playboy da Mansão.

O empresário foi morto a tiros em bar da Avenida Fernando Corrêa da Costa, na Vila Rosa Pires, em Campo Grande, no dia 18 de outubro de 2018.

Ele e mais dois amigos estavam sentados à mesa na cachaçaria, quando por volta da 0h18, o suspeito chegou ao local de moto, estacionou atrás do carro da vítima e, ainda usando capacete, se aproximou pelas costas e atirou.  

Além de Colombo, jovem de 18 anos, foi atingido no joelho.  

Conforme a denúncia, Jamil  Name e Jamil Name Filhoforam os mandantes do crime.  

Name Filho e a vítima teriam se desentendido anteriormente em uma casa noturna, quando Marcel deu um soco no nariz do filho de Name. Vingança desta situação foi o que motivou a execução do empresário.

José Moreira Freires, Marcelo Rios e o policial federal Everaldo Monteiro de Assis foram os intermediários, sendo encarregados de levantar informações sobre a vítima, e Juanil Miranda foi o executor.

O ex-guarda Rafael Antunes Vieira não teve participação no homicídio, mas foi o responsável por ocultar a arma usada no crime.

Freires, que também era pistoleiro da mílicia, neste caso não foi o responsável pela execução devido a usar tornozeleira eletrônica.

Eles vão responder por homicídio qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima, motivo torpe, além de tentativa de homicídio contra o rapaz que foi baleado.

 
 

Felpuda


Figurinha está trabalhando intensamente para tentar eleger a esposa como prefeita de município do interior.

Até aí, uma iniciativa elogiável. Uns e outros, porém, têm dito por aí que seria de bom tom ele não ensinar a ela, caso seja eleita, como tentar fraudar folha de frequência de servidores. 

Afinal, assim como ele foi flagrado em conversa a respeito com outro colega, não seria nada recomendável e poderia trazer sérias consequências. Só!