Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO SATURAÇÃO

Para frear consumo de bebidas entre menores, polícia dá "batida" em conveniência da Euclides da Cunha

Ação consiste em deter o consumo e venda de bebidas alcoólicas para menores de idade e tráfico de drogas
17/02/2020 13:35 - Camila Andrade Zanin


 

O público que frequenta uma das lojas de conveniência mais frequentadas da Rua Euclides da Cunha, em Campo Grande, foi alvo de operação conjunta das forças de segurança na madrugada de domingo. O objetivo é de coibir o consumo e venda de bebidas alcoólicas para menores de idade e tráfico de drogas.

A Polícia Civil do Mato Grosso do Sul em parceria com a Polícia Militar (Batalhão de Choque, Getam, Polícia de Trânsito e PMA), Corpo de Bombeiros e Semadur realizaram a Operação Saturação em uma conveniência localizada na rua Euclides da Cunha, esquina com avenida Ceará. 

Na via, conhecida por lojas de grife durante o dia, e restaurantes sofisticados no período norturno, a conveniência é o estabelecimento que atrai mais frequentadores, sobretudo o público jovem. 

Participaram da ação cerca de 120 profissionais da Segurança Pública. O bloqueio das ruas aconteceu nos dois sentidos da avenida Ceará, nos dois sentidos da rua Euclides da Cunha e na rua Sergipe, paralela à avenida Ceará.

Os moradores e comerciantes do local estão descontentes com a aglomeração de pessoas e o que eles chamam de "bagunça durante as madrugadas" nos finais de semana, o que têm gerado diversas reclamações. De acordo com o delegado titular da DEOPS e coordenador da operação - Paulo Henrique Sá , operações como esta deverão ser frequentes. 

"Essas operações serão repetidas pontualmente, em diversos pontos da cidade, porque não podemos permitir que transforme as ruas em uma balada expondo a vida do campo grandense a risco permanente durante a madrugada", destacou.

 

Felpuda


Dia desses, há quem tenha se lembrado de opositor ferrenho – em público –, contra governante da época, mas que não deixava de frequentar a fazenda de “sua vítima” sempre que possível e longe dos olhos populares. Por lá, dizem, riam que só do fictício enfrentamento de ambos, que atraía atenção e votos. E quem se lembrou da antiga história garantiu que hoje ela vem se repetindo, tendo duas figurinhas carimbadas nos papéis principais. Ô louco!