Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

IA PARA EXTERIOR

Traficante tenta fugir e roubar arma de federal no Aeroporto da Capital

Boliviano ainda tentou subornar os policiais depois da prisão
20/10/2019 08:54 - FÁBIO ORUÊ


 

Homem natural de Cochabamba, na Bolívia, foi preso ontem (19) após perseguição no Aeroporto Internacional de Campo Grande. Ele tentou fugir da Polícia Federal após ser flagrado com uma substância suspeita dentro da mala enquanto passou pela fiscalização no raio X, ele chegou a tentar sacar arma do policial federal que o abordou.

Segundo a informações da Polícia Federal, dentro da mala de viagem havia aproximadamente dois quilos de cocaína que estava guardada nas bordas e fundos da bagagem. Quando a fiscalização identificou o material suspeito, o boliviano, que não teve o nome divulgado, percebeu que seria preso e fugiu correndo para fora do aeroporto. 

A bordo de uma viatura, os policiais alcançaram a fuga do suspeito, mas ele ainda tentou sacar a arma do agente que o abordou. Frustrando novamente sua ação, ele foi preso e levado para depor. Durante a entrevista, o boliviano disse que iria para São Paulo, de onde levaria a droga para o exterior.

Com ele foram encontradas informações de bilhetes com destino ao Camboja, Sudoeste Asiático, onde permaneceria até o início de novembro. Além de traficar drogas, fugir dos policiais e tentar roubar a arma de um federal, o homem tentou corromper os agentes oferecendo vantagens indevidas para sua liberação, pedindo que o autorizassem a entrar em contato com seu “patrão”, enquanto tentava a todo custo de livrar das algemas.

Não foi informado o que foi oferecido aos policiais e o traficante permaneceu custodiado na sede da Polícia Federal na Capital.

Felpuda


Com trabalho suspenso, por causa da Covid-19, investigação parou sem ter começado e, agora, dois dos cabeças do grupo de trabalho estão “chovendo no molhado”. Assim, para continuar, digamos, em evidência, vêm divulgando sobre a “firmeza” de ambos em “dar continuidade”, tão logo acabe a pandemia que, assim como os resultados dos trabalhos, são incógnitas que só. Portanto, melhor seria aguardar o desenrolar dos acontecimentos para sair “cantando de galo”.