Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

APREENSÃO

Departamento de Operações de Fronteira apreendeu mais de 3 toneladas de maconha no fim de semana

Droga estava em carga de caminhão em meio a 30 toneladas de milho, motorista foi detido
21/09/2020 14:32 - Gabrielle Tavares


Mais de 3 toneladas de maconha foram apreendidas na tarde de sábado (19), na rodovia BR-163, região de Itaquiraí, município a 404 quilômetros de Campo Grande.

Policiais Militares do Departamento de Operações de Fronteira (DOF) abordaram uma carreta, conduzido por um homem de 45 anos de idade, que disse que estava transportando 30 toneladas de milho.

O homem informou ainda que a carreta foi pega no Assentamento Itamarati, no município de Ponta Porã, e seria entregue na cidade de Esteio (RS), mas apresentou problemas mecânicos.

Os policiais fizeram a vistoria da carga e localizaram vários fardos prensados da droga. O condutor negou a propriedade da maconha e informou ao DOF que já pegou o veículo já carregado.  

Uma equipe do 12º Batalhão de Polícia Militar auxiliou na escolta da carreta com a droga até a Delegacia da Polícia Federal de Naviraí, onde o homem foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, sendo em seguida colocado à disposição da Justiça.

Os 35 mil quilos de milho que estavam na carreta foram descarregados em uma cerealista em Naviraí.

A ação realizada integra a Operação Hórus, que em Mato Grosso do Sul é realizada através de parceria da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública com o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Em agosto, o DOF realizou a maior apreensão de drogas já realizada no Brasil. Foram 33,3 toneladas de maconha, o prejuízo ao crime organizado ultrapassa R$ 2 bilhões neste ano, apenas com as ações dos policiais do Departamento.

Denúncia

O DOF mantém um canal aberto direto com a população através do telefone 0800 647-6300 para tirar dúvidas, receber reclamações e denúncias anônimas.

 
 

Felpuda


Questão de família acabou descambando para o lado da política, e a confusão já é do conhecimento público. 

A queda de braço tem como foco a troca de apoio político que, de um, foi para outro. Sem contar as ameaças de denúncia da figura central do imbróglio. 

A continuar assim, há quem diga que nenhum dos dois candidatos a vereador envolvidos na história conseguirá ser eleito. Barraco é pouco!