Clique aqui e veja as últimas notícias!

POLÍCIA FEDERAL

Quadrilha montou corretora de investimentos falsa e lucrou cerca de R$ 40 milhões

Valores investidos no mercado de capitais resultou em grandes prejuízos para os investidores, maioria das vítimas eram policiais
01/09/2021 08:49 - Gabrielle Tavares


Polícia Federal deflagrou operação na manhã desta quarta-feira (1º) para desarticular quadrilha que atraía vítimas para um falso fundo de investimentos, prometendo grandes lucros com aplicações no mercado financeiro mobiliário. 

Foram 2 mandados de prisão preventiva, 2 mandados de prisão temporária e 19 mandados de busca e apreensão, todos nas cidades de Dourados, Campo Grande, Ponta Porã, Naviraí, Porto Murtinho, Amambai, Franca-PR e Maringá PR.

Os mandados foram expedidos pela 5ª Vara Federal da Cidade de Campo Grande, especializada em crimes financeiros e de lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal também sequestrou e bloqueou mais de R$ 40 milhões em bens móveis e imóveis da organização criminosa, bem como valores depositados em contas bancárias dos investigados, totalizando 44 ordens judiciais.

Para atrair clientes, eles criaram um sofisticado e convincente site na internet, onde em seu manual de investimentos explicava aos clientes a forma como trabalhava e os principais tipos de produtos oferecidos. Todos com uma rentabilidade muito acima do mercado.

Havia a área do cliente, acessado através de login e senha individual, onde existia gráficos e planilhas explicativas para descriminar os valores investidos e os ganhos obtidos com as supostas aplicações em bolsa feitos pela empresa em nome dos clientes, como se de fato fosse uma corretora de valores. 

Últimas notícias

A empresa possuía faixas de investimentos, cujo rateio dos ganhos era feito da seguinte forma: investimentos de R$ 1 mil até R$ 50 mil, 50% dos ganhos eram do cliente e os outros 50% da empresa.

Já com investimentos acima de R$ 50 mil, 70% dos ganhos eram do cliente e o restante da empresa. Há casos em que investidores aplicaram na empresa mais de R$ 200 mil.

No auge do funcionamento, empresa chegou a contar com mais de dois mil clientes em todo o país. A maioria dos valores investidos no mercado de capitais resultou em grandes prejuízos para os investidores.

A organização é alvo de dezenas de ações cíveis em Mato Grosso do Sul, nas quais os investidores lesados cobram na justiça a devolução dos valores aplicados e indenizações por danos morais e materiais.

Uma parte considerável dos investidores que sofreram prejuízos é composta por policiais de diversas instituições de segurança pública do Estado.