Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

OPERAÇÃO HIPÓCRATES

Quadrilha que lavou R$ 90 milhões atuava em MS, Maranhão e Bolívia é alvo da PF

Grupo usava envio de dinheiro para estudantes de medicina na Bolívia como fachada para disfarçar o esquema
17/06/2020 14:12 - Nyelder Rodrigues


 

Quatro anos de atuação e mais de R$ 90 milhões movimentados em esquema de lavagem de dinheiro. Essas são os vultuosos números da quadrilha desarticulada nesta quarta-feira (17) na Operação Hipócrates, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em Corumbá e em Imperatriz, cidade do interior do Maranhão.

Ao todo, 30 policiais participaram da ação que cumpriu cinco mandados de busca e apreensão e outros cinco de prisão. Os nomes dos envolvidos não foram divulgados, nem os valores que foram, por ordem judicial, bloqueados em contas bancárias.

Imóveis e outros bens registrados pelos envolvidos também foram sequestrados em decisão da 3ª Vara Federal de Campo Grande, que também suspendeu as atividades das empresas constituídas em nomes dos investigados e usadas no esquema de evasão de divisas.

Segundo a PF, o grupo realizava saques em agências bancárias de Corumbá e levava o dinheiro até Puerto Quijarro e Puerto Suarez, cidades vizinhas na Bolívia, onde depositavam o dinheiro em casas de câmbio. O envio de dinheiro para estudantes brasileiros de medicina na Bolívia era como fachada pelo grupo.

Um dos principais crimes que rendiam o dinheiro para 'abastecer' o esquema de lavagem era o tráfico de drogas, assim como também o peculato. Contudo, outros crimes que precisavam 'limpar' a origem do dinheiro também participavam o esquema.

Os investigados podem responder pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de capitais e organização criminosa, que possuem penas que chegam até a casa dos 20 anos de prisão. A Operação Hipócrates foi assim chamado em referência ao filósofo grego, pai da medicina - fazendo referência ao falso envio de recursos para estudantes na Bolívia.

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.