Clique aqui e acompanhe o resultado das Eleições 2020

INTERIOR

Tiroteio após adesivagem deixa um morto e três feridos em Coronel Sapucaia

Entre os feridos está João Tavares da Silva, marido da candidata a prefeita, Claudinha Maciel (PSD)
09/11/2020 07:35 - Carol Alencar Cozzatti


O agricultor Anibal Ortiz, 45 anos, foi assassinado na tarde deste domingo (08) na cidade de Coronel Sapucai, distante 400 km de Campo Grande.

Segundo informações centenas de pessoas, dois homens em uma motocicleta pararam numa conveniência na região central da cidade e o guarupa desceu com uma pistola na mão e atirou várias vezes contra Aníbal.

Outras três pessoas, sendo uma delas, o marido da candidata a prefeita Claudinha Maciel (PSD).

O crime aconteceu logo depois de uma ato político.

Quando ele caiu o pistoleiro ainda fez outros disparos contra a vítima. Os tiros atingiram também João Tavares da Silva, 62 anos, esposo da candidata a prefeita Claudinha Maciel. Ele levou um tiro na boca, Luciana Antunes Lopes, 21 anos, foi atingida com um tiro em um dos pés e Carlos Alberto de Andrade, 50 anos, também levou um tiro no rosto e precisou ser levado para Campo Grande.

As outras vítimas foram levadas para o Hospital Municipal de Coronel Sapucaia e depois transferidos para Ponta Porã.

Informações dão conta de que duas coligações resolveram fazer adesivagem no mesmo dia, uma terminava as três e meia da tarde e outra começaria logo após e uma desavença política pode ter sido o motivo das tentativas de homicídio, apurou o Ponta Porã News.

Candidatos e cabos eleitorais do MDB e do PSD estavam na região central realizando manifestações.

Pelo menos 12 cápsulas de pistola 9 milímetros foram apreendidas pelos policiais que estiveram no local. Não foi realizada perícia, porque segundo a Polícia Civil, o corpo de Aníbal foi colocado por populares no carro funerário e levado para o hospital.

 
 

Felpuda


Esforços vêm sendo feitos por certos candidatos derrotados na tentativa de conseguir emplacar em cargos públicos comissionados alguns ex-integrantes das equipes de trabalho da campanha eleitoral.

A preocupação não seria, na realidade, com situação de dificuldades que essas pessoas enfrentariam a partir de agora, mas, sim, para livrarem-se de pagar pendências trabalhistas referentes ao período da disputa. Tem cada uma!