Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FRONTEIRA

Operação mira tráfico de drogas e três são presos em Mato Grosso do Sul

Ação ocorreu nesta terça-feira em outros dois estados
09/06/2020 12:30 - Bruna Aquino


Em busca de desmantelar quadrilha especializada no tráfico de drogas, operação da Polícia Civil deflagrada nesta terça-feira (9) cumpriu 30 mandados de busca e apreensão e 12 de prisão em Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul. Três pessoas foram presas nas cidades fronteiriças de Ponta Porã e Amambai. 

Em Ponta Porã dois foram presos e com eles foram encontrados quinze quilos de cocaína, dois quilos de maconha, skank, balança de precisão, mais de um quilo de substâncias de mistura, munições e um veículo Gol que era utilizado para o transporte da droga. O terceiro integrante foi encontrado em Amambai. 

Segundo investigações, o entorpecente partia das cidades de MS e abastecia os dois estados no sul, mas a base de atuação da quadrilha consistia em Ponta Porã e Amambai.

No Paraná, três mandados foram cumpridos e dois traficantes foram presos e com eles foram apreendidos dois veículos Jeep Compass e Toyota Corolla, que eram utilizados também para o transporte de entorpecentes. 

MS É RECORDE NA APREENSÃO

As apreensões de drogas em Mato Grosso do Sul foram recorde no mês de maio, segundo dados do Ministério da Justiça. A atuação integrada de várias forças policiais, estaduais e federais resultou na apreensão de 60,9 toneladas de drogas, a maioria (60,3 toneladas) de maconha.  

Até então, o recorde de apreensões havia ocorrido em abril, mês anterior, quando policiais do Departamento de Operações de Fronteira e das polícias, Rodoviária Federal, Militar, Civil e Federal retiveram 44,2 toneladas de drogas no Estado. O maior volume de drogas confiscadas foi registrado nos municípios próximos à fronteira com o Paraguai.  

 

*Colaborou Eduardo Miranda

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.