Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SISTEMA

Vigia completa mil ocorrências, com 178 toneladas de droga apreendidas

Sistema entrou em operação em Mato Grosso do Sul em setembro de 2019
20/05/2020 10:30 - Eduardo Miranda


O Ministério da Justiça tem tudo para comemorar, nesta quarta-feira, a milésima ação policial proporcionada pelo sistema Vigia, que entrou em operação em Mato Grosso do Sul em setembro de 2019.

Em nove meses de atuação do sistema, que integra forças federais e estaduais da Segurança Pública, foram apreendidas 178 toneladas de drogas e 18,2 milhões de pacotes de cigarro.  

As ações do sistema Vigia no Estado subsidiam a Operação Hórus, atividade permanente que envolve a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, o Departamento de Operações de Fronteira (DOF), a Polícia Civil e as suas unidades de elite, como o Garras, a Polícia Militar e vários de seus batalhões operacionais, como o Choque, as Forças Táticas, o Bope, a Polícia Militar Rodoviária, entre outras.  

“O que ocorre, de 2019 para cá, é que a informação circula de forma integrada entre várias forças diferentes, o que nos permite muito mais eficiência e precisão no combate às organizações criminosas”, explica Eduardo Bettini, coordenador-geral de Fronteira da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“Esse sistema integrado modificou a realidade do policiamento da fronteira. As forças policiais trabalham na convergência de um propósito comum”, explica.  

“Há uma integração para escolher a melhor hora de agir, compartilhar fragmentos de informação e criar uma consciência compartilhada”, complementa Bettini ao comentar que o objetivo é integrar ainda mais as ações.

 
 

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.