Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONGRESSO

Alcolumbre sinaliza acordo para manter o veto ao orçamento impositivo

Davi disse que o orçamento impositivo é importante por ser uma forma de descentralizar recursos
03/03/2020 17:41 - Da Redação


Agência Senado
 
 

Ao chegar ao Congresso Nacional na tarde desta terça-feira (3), o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, sinalizou que há entendimento entre vários líderes partidários para que o veto ao orçamento impositivo seja mantido (VET 52/2019). Segundo Davi, o acordo inclui a votação dos projetos que vão regulamentar a execução do orçamento impositivo e liberar crédito para o Ministério da Saúde (PLNs 2, 3 e 4/2020). A sessão do Congresso foi aberta no início da tarde.

Davi disse que o orçamento impositivo é importante por ser uma forma de descentralizar recursos. Ele ressaltou que o tema é algo novo e o país está aprendendo a viver com essa nova realidade. Davi acrescentou que tanto o governo quanto o Congresso reconhecem que ainda há ajustes a fazer sobre o orçamento impositivo. De acordo com o senador, os líderes construíram um entendimento de modo republicano e democrático.

O presidente do Senado também ressaltou que a conciliação, o entendimento e o diálogo são fundamentais para o Brasil avançar. Ele afirmou que tem procurado ser um ponto de equilíbrio nas relações institucionais e em momentos delicados tem preferido a conversa ao enfrentamento. Davi ainda negou que exista uma espécie de “parlamentarismo branco” sendo gestado pelas lideranças no Congresso e defendeu a harmonia e independência entre os Poderes.

— A independência é fundamental, mas a harmonia também é fundamental. Queremos fortalecer o Executivo, o Judiciário e o Parlamento. O fortalecimento das instituições é o fortalecimento da democracia — registrou.

Felpuda


Lideranças de alguns partidos estão fazendo esforço da-que-les para fechar chapa com o número exigido por lei de 30% do total de vagas para as mulheres. Uma dessas legendas, por exemplo, tenta mostrar a “felicidade” das suas pré-candidatas, mas teme o fracasso, tendo em vista que o “chefe maior” é aquele que já mandou mulheres calarem a boca e disse também que a importância da sua então esposa na campanha eleitoral era porque apenas “dormia com ele”. Ô louco!