Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONGRESSO

Após 18 dias de isolamento, Nelson Trad volta ao Senado em sessão remota

Parlamentar está se recuperando após ser confirmado com Covid-19
30/03/2020 17:01 - Yarima Mecchi


 

Após 18 dias afastado das atividades por ter contraído o novo coronavírus (Covid-19), o senador Nelson Trad (PSD) participou da sessão remota do Senado Federal nesta tarde. Conforme e assessoria de imprensa do parlamentar, Trad agradeceu o carinho dos colegas senadores pela internet. “Obrigado, gente. Obrigado mesmo!”, destacou.

O senador votou o Projeto de Lei que prevê auxílio de R$ 600 para trabalhadores informais. Outra proposta na pauta foi o PL 786/2020, que permite a distribuição de alimentos da merenda escolar às famílias dos estudantes que tiveram suspensas as aulas na rede pública por conta da pandemia do Covid-19.  

Os projetos foram aprovados pela Câmara dos Deputados e foram votados nesta segunda-feira pelos senadores. “Aos poucos vamos retomando ao trabalho e, hoje, não poderia deixar de dar o meu apoio e o meu voto a dois projetos muito importantes: auxílio emergencial a trabalhadores informais e fornecimento de merenda escolar durante quarentena”, escreveu o senador, em suas redes sociais.

Como médico e, também, ainda em recuperação, o parlamentar faz recomendações para o enfrentamento na transmissão do novo coronavírus. “As pessoas precisam ficar em casa para evitar a propagação do vírus e também necessitam de suporte para que consigam suprir suas necessidades básicas. Agradeço a todos os amigos senadores pelo carinho que tiveram comigo! Vamos juntos, todos unidos para superar esta pandemia”, destacou o senador, em suas redes sociais.  

*Com assessoria

 

Felpuda


Figurinha carimbada ganhou o apelido de “biruta”, instrumento que indica direção do vento e, por isso, muda constantemente. Dizem que a boa vontade até existente ficou no passado, e as reclamações são muitas, mas muitas mesmo, diante das decisões que vem tomando a cada mudança de humor do eleitorado. Como bem escreveu o poetinha Vinicius de Moraes: “Se foi pra desfazer, por que é que fez?”.