Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CRISE

Após demissão de Teich, ex-ministro Mandetta manda forças ao SUS

Ministro da Saúde pediu demissão no fim da manhã desta sexta-feira
15/05/2020 15:17 - Yarima Mecchi


Após o pedido de demissão do então ministro da Saúde, Nelson Teich, o seu antecessor Luiz Henrique Mandetta (DEM) desejou em seu Twitter força ao Sistema Único de Saúde (SUS). Ex-comandante da pasta, Mandetta foi demitido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, no dia 16 de abril.  

No Twitter Mandetta também citou a ciência. “Oremos. Força SUS. Ciência. Paciência. Fé! #FicaEmCasa”, disse o ex-ministro. Em entrevista ao Estadão, Mandetta avaliou a gestão de Teich como uma perda de tempo prejudicial ao País durante a pandemia de Covid-19. “A única coisa que sei é que foi um mês perdido, jogado na lata do lixo”, disse.

Teich foi nomeado por Bolsonaro no mesmo dia que Mandetta foi demitido e empossado no dia seguinte, ele não completou um mês a frente da pasta. Conforme divulgado na impressa nacional, o agora ex-ministro tem discordado do presidente sobre a recomendação do uso de cloroquina em pacientes com a Covid-19, além de não conseguir montar sua equipe e “vinha sendo tutelado pela ala militar do governo. Na última semana, ao menos dez nomes ligados às Forças Armadas assumiram postos estratégicos na pasta”, segundo o Estadão.

Nas redes sociais políticos sul-mato-grossense se manifestaram sobre a demissão e mais uma crise em Brasília. O deputado federal Fábio Trad (PSD) disse que o mais grave é a possibilidade de um militar assumir a pasta e ainda mandou um recado para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS). “Mais grave que a demissão de Teich será a nomeação de outro militar em seu lugar. São centenas ocupando postos reservados a civis. Será que somente militares são competentes? O que está por trás disso? Ministra Tereza Cristina, abra o olho você também”.

Também da bancada estadual na Câmara dos Deputados, Dagoberto Nogueira (PDT) disse no Twitter que o foco do Governo Federal deveria ser o novo coronavírus. “E lá se vai mais um ministro da saúde na derrocada do Governo Bolsonaro. Sinceramente do jeito que vai esse governo não chega até o fim de jeito nenhum. O foco deveria ser a #COVID19! #BrasilpedeSocorro”. 

Procurado pelo Correio do Estado, o senador Nelson Trad Filho (PSD), avaliou que mais um crise nasce no Governo Federal. “Creio que infelizmente brota se mais uma crise em cima do governo. Torceremos e eu farei o que puder na qualidade de senador para ajudar o Brasil a superar tudo isso”. Sobre a escolha do próximo ministro, Trad avaliou que é  “prerrogativa total e exclusiva do presidente”.  

De acordo com a assessoria de imprensa, o governador de Mato Grosso do Sul, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), não deve se manifestar sobre o assunto.  

 

Felpuda


Candidato a prefeito em cidade do interior tremeu que só nas bases diante da decisão que tirou a corda do pescoço de adversário, liberando o dito-cujo para disputar a eleição.

Como acreditava que o pleito seria “um passeio”, estava até pensando no modelito que usaria no dia da posse.

Agora, teme nadar, nadar e morrer na beira da praia, deixando o terno pendurado no cabide.