Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

APERTO

Após rombo nas contas, Mantega diz que governo estuda cortes

Foi a primeira vez desde o Plano Real, lançado em 1994, que houve deficit primário
07/11/2014 17:37 - FOLHAPRESS


O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta sexta-feira (7) que o governo está estudando cortes para diminuir despesas. Em setembro, o governo federal gastou além de sua arrecadação pelo quinto mês consecutivo, e o Tesouro Nacional acumulou um deficit inédito em duas décadas.

As despesas com pessoal, programas sociais, investimentos e custeio superaram as receitas em R$ 20,4 bilhões, o maior valor em vermelho já contabilizado em um mês. Com isso, o resultado do ano passou de um saldo fraco para um rombo de R$ 15,7 bilhões.

Foi a primeira vez desde o Plano Real, lançado em 1994, que houve deficit primário no acumulado de um ano, ou seja, o governo precisou de endividar para fazer os pagamentos rotineiros e as obras de infraestrutura.

"Nós temos agora que fazer uma redução importante das despesas que estão crescendo, como o seguro-desemprego, abono salarial e auxílio doença". Ele participou de evento da FGV (Fundação Getulio Vargas) em São Paulo, para falar da política fiscal em tempos de crise.
Mesmo com essas dificuldades, Mantega considera que "este é o último ano de políticas anticíclicas no Brasil".

"A indústria é a que mais sofre [neste período de crise] porque é o mercado que mais encolhe."
Ele disse que, se o governo não tivesse feito políticas de estímulo, a produção industrial não teria se mantido em um patamar superior. Segundo o ministro, o setor se manteve em uma situação "razoável", mas afirmou que a realidade ainda é insatisfatória para as necessidades da indústria.

Economia mundial

O ministro repetiu que, além da economia mundial em crise, a seca, a estiagem e a falta de chuvas atrapalharam o crescimento do Brasil.

Durante o evento, exaltou como a gestão Dilma enfrentou a crise mundial com ativos de bancos públicos para injetar crédito na economia, com a redução de alguns tributos para ativar o consumo e com investimento de infraestrutura, como o Minha Casa Minha Vida.

"A economia brasileira está sólida porque saímos com um mercado consumidor forte e temos volume de reservas internacionais. O emprego aumenta e os salários têm aumento real também.

Portanto, o mercado consumidor continua crescendo. Se o crédito for liberado esse mercado volta a consumir", afirma Mantega.

Inflação

O ministro falou ainda sobre o IPCA, índice oficial da inflação, de outubro, que ficou em 0,42%, segundo divulgado pelo IBGE nesta sexta. Em setembro, a taxa havia sido de 0,57%. Para Mantega, a inflação está controlada sem risco ultrapassar a meta.

Após o aumento da gasolina nas refinarias em 3% e de 5% no diesel, anunciado na noite de quinta-feira (6), Mantega disse que o impacto da mudança será de 0,1 ponto percentual na inflação.

Sobre a necessidade de novos aumentos no combustível, disse que "não discute o preço da gasolina e a situação da estatal", mesmo sendo o presidente do conselho de administração da empresa.

Felpuda


Mesmo sem ter, até onde se sabe, combinado com o eleitor, candidato a prefeito começou a apresentar nomes do seu ainda hipotético secretariado, pois parece estar convicto de que conseguirá vencer a disputa.

Os adversários dizem por aí que ele está muito distante de “ser um Jair Bolsonaro”, que, ainda na campanha eleitoral para presidente da República, já falava em Paulo Guedes para ser seu ministro de Economia. Como sonhar é permitido